Separatistas de Camarões sequestram professores em escola para deficientes

25 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Em um vídeo que circulou nas mídias sociais, incluindo o WhatsApp em Camarões, um grupo de dez professores implorou por suas vidas a separatistas anglófonos armados.

As nove mulheres e um homem disseram que ensinam em uma escola para crianças deficientes em Ngomham, um bairro de Bamenda, capital da região noroeste de Camarões.

O exército de Camarões confirmou na sexta-feira que os separatistas sequestraram os professores e um porta-voz rebelde reivindicou a responsabilidade.

Capo Daniel, vice-chefe de defesa do grupo rebelde Ambazonia Defense Forces, disse que estão punindo os professores por não fecharem a escola do governo.

“Pedimos ajuda para criar instituições educacionais alternativas para dar aos nossos filhos o direito à educação, incluindo as crianças deficientes da Ambazonia”, disse ele. “O governo camaronês será considerado um traidor.”

Os rebeldes lutam nas regiões ocidentais desde 2017 para criar um estado independente que eles chamam de “Ambazonia” da maioria francófona de Camarões.

Eles têm como alvo escolas e escritórios do governo; exigindo que as autoridades retirem as tropas das regiões ocidentais.

O governo de Camarões condenou os sequestros, chamando-os de o mais recente ataque separatista à educação.

A Escola Primária ensina dezenas de crianças surdas, mudas e amputadas ao lado de várias centenas de outras.

O presidente da Associação de Professores de Camarões, Valentine Tameh, disse que as crianças estão com muito medo de ir à aula desde que seus professores foram sequestrados.

“Quando um grupo de pessoas se encarrega de continuar assediando e molestando crianças e professores com os efeitos que esse assédio desnecessário causa, só podemos dizer que é uma coisa triste, é doloroso”, disse ela. “Continuamos a enfatizar que as escolas continuam sendo áreas proibidas e os beligerantes devem ficar longe das escolas”.

Tameh disse que desde o início do conflito separatista, os rebeldes mataram ou sequestraram pelo menos 300 professores nas regiões de língua inglesa.

O conflito eclodiu depois de 2016, quando professores e advogados anglófonos protestaram contra uma alegada discriminação nas mãos da maioria francófona.

Os militares de Camarões responderam com uma repressão e os separatistas pegaram em armas alegando proteger civis.

Grupos de direitos humanos dizem que os combatentes de ambos os lados abusaram de civis durante seis anos de confrontos.

As Nações Unidas dizem que os combates deixaram 3.500 pessoas mortas, 700.000 deslocados e 750.000 crianças privadas de educação.

Fontes