Renuncia o primeiro-ministro de Ucrânia, Arseni Yatseniuk

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Arseni Yatseniuk em 2011.
Foto: Ybilyk/Wikimedia Commons.

Agência Brasil

10 de abril de 2016

Ucrânia

O primeiro-ministro da Ucrânia, Arseniy Yatsenyuk, anunciou a sua renúncia ao cargo hoje em discurso transmitido pela televisão, menos de dois meses depois de ter sobrevivido a um voto de desconfiança no Parlamento e pressões por parte dos integrantes da coalizão del partido. O anúncio se deu através do programa televisivo "Dez Minutos com o Primeiro-Ministro" na qual se transmite em vários canais do país, informou a agência de notícias Interfax.

Segundo Arseni Iatseniuk, a demissão deverá ser ratificada terça-feira e Poroshenko já designou o presidente do Parlamento, Volodymyr Groissman, para lhe suceder.

Tendo feito tudo o que pude para assegurar a estabilidade do país e construir uma transição tão calma quanto possível, decidi renunciar ao cargo de primeiro-ministro da Ucrânia. Na terça-feira, 12 de abril, minha decisão será apresentada à Rada Suprema [Parlamento ucraniano].

Aresni Yatseniuk, primer ministro de Ucrânia

O primeiro-ministro Iatseniuk, 41 anos, disse hoje que as forças europeias devem constituir nova coligação e formar um novo governo, que será apoiado pela sua Frente Popular.

Iatseniuk declarou também que a crise política que enfrenta Ucrânia foi "desencadeada artificialmente".

Há algo que não se pode permitir: a desestabilização do Poder Executivo em tempos de guerra. E essa perspectiva é inevitável após a demissão, se não for escolhido imediatamente um novo governo.

acrescentou

O primeiro ministro demissionário defendeu ainda "uma nova legislação eleitoral, reformas constitucionais, uma reforma da Justiça".

Histórico

Iatseniuk, que ocupava a função há dois anos, sobreviveu, em 16 de fevereiro, a uma moção de censura, no mesmo dia em que o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko pediu demissão.

Nos últimos meses, o primeiro-ministro demissionário vinha sendo fortemente criticado pela insuficiência das reformas prometidas e por defender os interesses dos oligarcas. O presidente ucraniano Poroshenko também enfrenta pressões para demitir parte da coalizão.

A Ucrânia enfrenta guerra civil no leste do país desde abril de 2014, dois meses após a revolução violenta em que derrubou presidente aliado da Rússia, quando separatistas russos anunciaram plebiscitos no leste do país, onde são maioria, em que levaram a declaração de independência, não reconhecida internacionalmente e início de combates. A Ucrânia acusou a Rússia de apoiar os separatistas e invadir o leste do país, acusações negadas por russos, que por vez ameaçou intervir no país, caso os russos sofrerem perseguições de ucranianos.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati