Relatório: Apenas 15% do mundo desfruta da livre expressão de informações

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

30 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um grupo sediado no Reino Unido diz que seu mais recente estudo sobre direitos mundiais de liberdade de expressão mostra que apenas 15% da população global vive onde as pessoas podem receber ou compartilhar informações livremente.

Em seu Relatório de Expressão Global de 2022, o Article19, uma organização internacional de direitos humanos, disse que em nações autoritárias como China, Mianmar e Rússia, e em democracias como Brasil e Índia, 80% da população global vive com menos liberdade de expressão do que uma década atrás.

O relatório disse que regimes e governantes autoritários continuam a controlar o que suas populações veem, ouvem e dizem.

Ao mencionar o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi e o presidente russo Vladimir Putin, o relatório destaca o governo da China por “exercer autoridade máxima sobre as identidades, informações e opiniões” de centenas de milhões de pessoas.

O relatório anual examina a liberdade de expressão em 161 países usando 25 indicadores para medir a liberdade de cada pessoa para se expressar, comunicar e participar da sociedade, sem medo de assédio, repercussões legais ou violência. Ele cria uma pontuação de zero a 100 para cada país.

Este ano, o relatório classifica a Dinamarca e a Suíça no topo do mundo, cada uma com pontuação de 96. Noruega e Suécia têm pontuação de 94, e Estônia e Finlândia pontuaram 93. O estudo disse que as 10 nações mais abertas são europeias.

O Artigo 19 classifica a Coreia do Norte como a nação mais opressora do mundo, com pontuação zero. Eritreia, Síria e Turcomenistão tiveram pontuação de um, e Bielorrússia, China e Cuba tiveram pontuação de dois.

Os Estados Unidos ficaram em 30º lugar na escala. Em 2011, foi 9º no mundo. Os EUA tiveram uma queda de nove pontos em sua pontuação, colocando o país na extremidade inferior da categoria de expressão aberta. Foi classificado globalmente no quartil mais baixo em 2021 em suas pontuações de igualdade nas liberdades civis para grupos sociais, polarização política e polarização social e violência política.

O relatório disse que, nas últimas duas décadas, houve mudanças mais dramáticas para baixo na liberdade de expressão em todo o mundo do que em qualquer outro momento. Muitos deles ocorrem como resultado de tomadas de poder ou golpes, mas muitas outras nações têm visto uma erosão de direitos, muitas vezes sob líderes populistas democraticamente eleitos.

O Article19 tem o lema da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que afirma: “Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de buscar, receber e difundir informações e ideias por qualquer meio e independentemente de fronteiras.”

Fontes