Putin vai dormir 'com medo', diz ex-secretário de Defesa dos EUA

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Jim Mattis

2 de julho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O ex-secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, insultou o presidente russo, Vladimir Putin, na sexta-feira, chamando sua invasão da Ucrânia de "incompetente" e "tola".

Em um discurso em Seul, Mattis comparou Putin ao tipo de personagem paranóico criado pelo romancista russo Fiódor Dostoiévski.

“Putin é uma criatura vinda diretamente de Dostoiévski. Ele vai para a cama à noite com raiva, ele vai para a cama à noite com medo, ele vai para a cama à noite pensando que a Rússia está cercada de pesadelos”, disse Mattis.

Mattis fez relativamente poucos comentários públicos desde que renunciou ao cargo de chefe do Pentágono em 2018 devido a um desacordo com o ex-presidente dos EUA, Donald Trump.

Em seu discurso, Mattis não abordou essas divergências diretamente, dizendo apenas que Trump realizou uma política externa não tradicional que desafiou as relações dos EUA com seus aliados.

Os comentários mais contundentes de Mattis se concentraram em Putin. Questionado sobre a lição mais importante a ser aprendida com a invasão, Mattis respondeu: "Não tenha generais incompetentes no comando de suas operações".

Ele também disse que a invasão russa foi "taticamente incompetente" e "estrategicamente tola".

“A guerra já é tragédia suficiente sem acrescentar estupidez por cima”, disse ele.

Mattis também criticou as crescentes relações da China com a Rússia. Um país “não pode ser grande se apoiar a invasão criminosa da Ucrânia pela Rússia”, disse ele.

Falando sobre seu mandato, Mattis falou de “tempos estridentes” e chamou Trump de "líder incomum", mas não criticou diretamente o ex-presidente.

“As democracias às vezes se tornarão populistas e às vezes romperão com a tradição”, disse ele. “É da natureza das democracias às vezes experimentar ideias e tudo mais.”

Os americanos, disse Mattis, devem responder “mantendo a fé nas instituições.”

O discurso de Mattis foi na Coreia do Sul, um aliado dos EUA que sentiu dramaticamente os efeitos da política externa não tradicional de Trump.

Questionado sobre como se sentiu sobre as cúpulas de Trump com o líder norte-coreano Kim Jong Un, Mattis disse que nunca foi otimista sobre as negociações, mas que o esforço diplomático era “a coisa certa a fazer.”

“Quanto ao que saiu disso, nada. Eu não vi nada que saiu disso”, disse ele.

Mattis também elogiou o novo presidente da Coreia do Sul, o ex-procurador-chefe Yoon Suk Yeol, por querer que a Coreia do Sul desempenhe um papel maior no mundo.

Mattis elogiou a presença de Yoon na cúpula da OTAN, dizendo que “um Estado global da Coreia do Sul é melhor para todos.”

Ele alertou, no entanto, contra as vozes em Seul que recentemente pediram à Coreia do Sul que adquirisse suas próprias armas nucleares.

“Armas nucleares não são necessárias na península para garantir dissuasão prolongada enquanto houver confiança entre a ROK e os Estados Unidos”, disse ele, referindo-se a uma abreviação do nome oficial da Coreia do Sul, ROK.

Pesquisas de opinião mostram consistentemente que a maioria dos sul-coreanos apoia seu país na aquisição de suas próprias armas nucleares, especialmente porque a Coreia do Norte continua a desenvolver seu próprio arsenal.

“Acho que qualquer coisa que eles possam fazer para evitar ter essas armas, eles deveriam fazer. São armas horríveis”, disse.

Fontes