Programa Mundial de Alimentos suspende ajuda alimentar para 1,7 milhão de pessoas no Sudão do Sul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

15 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Programa Mundial de Alimentos informa que foi forçado a suspender a assistência alimentar para 1,7 milhão de pessoas no Sudão do Sul por causa de um déficit de financiamento de US$ 426 milhões.

Conflitos, três anos de inundações, seca localizada e aumento dos preços dos alimentos agravados pela pandemia de COVID-19 e a invasão na Ucrânia deixaram o Sudão do Sul de joelhos.

A diretora interina do Programa Mundial de Alimentos no Sudão do Sul, Adeyinka Badejo, diz que o país está enfrentando seu pior ano de insegurança alimentar desde a independência em 2011. Falando da capital, Juba, ela diz que o PMA planejava ajudar 6,2 milhões de pessoas este ano.

“Esses cortes estão acontecendo no início da época de escassez, quando as famílias esgotaram completamente todas as reservas de alimentos e provavelmente continuarão a sofrer níveis agudos de fome à medida que a época de escassez se aprofunda…”

Badejo diz que a situação de financiamento é tão crítica que os alimentos para muitos dos beneficiários da agência de alimentos da ONU tiveram que ser cortadas pela metade. Esses cortes, ela observa, estão ocorrendo quando os estoques de alimentos estão no nível mais baixo. Ela alerta que milhões de pessoas sofrerão níveis agudos de fome à medida que a temporada de escassez se aprofunda e atinge seu pico em julho.

Consequentemente, ela diz, muitas pessoas serão forçadas a adotar estratégias negativas de enfrentamento apenas para sobreviver.

“Minha equipe no oeste de Bahr El Ghazal, onde vimos o maior aumento na desnutrição aguda, relata que as comunidades locais estão recorrendo ao corte de mais e mais árvores para produzir e vender carvão apenas para sobreviver. Também estamos vendo um aumento no número de mendigos infantis apenas nas últimas duas semanas.”

O PMA estima que 8,3 milhões de pessoas, incluindo 2 milhões de mulheres e crianças em risco de desnutrição aguda, passarão por fome aguda durante a época de escassez. Ele diz que a ajuda alimentar deve ser restaurada com urgência em áreas onde foi suspensa para evitar que as pessoas caiam na fome.

A agência de alimentos diz que o apoio generoso de doadores e ações humanitárias precoces podem evitar uma crise mortal e salvar vidas.

Fontes