Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, inicia seu giro na América Latina

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

12 de setembro de 2017

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu iniciou uma turnê internacional para a América Latina que começa uma visita a vários países da América do Sul, começando pela Argentina. Sua visita também inclui a Argentina (onde se encontrou com o presidente Mauricio Macri), o Paraguai (onde se encontrará com o presidente Horacio Cartes), a Colômbia e o México.

Sua visita é considerada histórica, já que é a primeira vez que um primeiro ministro israelense visita países latino-americanos, até então, ex-ministros israelenses visitaram países latino-americanos e líderes em Israel, que chegaram a capital argentina de Buenos Aires na segunda-feira. Durante sua visita à América Latina, Benjamin Netanyahu reunirá as delegações da Argentina, Paraguai, Colômbia e México para desenvolver relações econômicas entre empresas israelenses e esses países.

Protestos

Milhares de argentinos que se opõem à política israelense na Palestina realizaram uma manifestação na capital de Buenos Aires em protesto contra a visita do primeiro ministro israelense.

Ativistas de esquerda exibiram bandeiras de cartazes e imagens anti-semitas contra Netanyahu e os judeus nas paredes na maior parte da capital, de onde Netanyahu é comparado a Hitler e fotografou vestindo uniformes nazistas.

Sobre Netanyahu, eles o acusam de "cometer massacres e limpeza étnica", "perseguido por crimes contra a humanidade e o massacre do povo palestino" e "Sim para remover o sionismo da Palestina... Sim para isolar Netanyahu".

Histórico na Argentina

Antes de Netanyahu, o então presidente da França, François Hollande, passou por Buenos Aires; vice-presidente Mike Pence; a chanceler alemã, Angela Merkel e o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi.

Desde que Mauricio Macri assumiu a presidência em 2015, ele colocou seu país de volta à agenda de importantes autoridades internacionais, que estavam preocupados em passar por Buenos Aires em viagens para a América Latina, ao contrário do governo Kirchner (2003-15), substituindo a O Brasil, que tem enfrentado desde 2014, uma séria crise econômica, política e social em mais de 100 anos (desde que a monarquia brasileira foi substituída pela república em 1889), bem como uma deterioração da imagem do país no exterior, como exemplo de um país corrupto e cleptocrático.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati