Presidente do Iêmen deve reassumir cargo, diz Ban Ki-moon

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de fevereiro de 2015

Iêmen


O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, alertou hoje (8) para o agravamento da situação política no Iêmen e pediu a volta do presidente Abd Rabbo Mansour Hadi, forçado a se demitir por milicianos xiitas. “A situação se deteriorou seriamente. Os hutis (milicianos xiitas) tomaram o poder, criando um vazio político. (…) A legitimidade do presidente Hadi deve ser restabelecida”, disse Ban Ki-moon aos jornalistas, depois de um encontro em Riad com o novo rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdul Aziz.

O Iêmen vive uma crise política desde 22 de janeiro na sequência da renúncia do presidente Abd Rabbo Mansour Hadi e do seu governo, dois dias depois de a milícia xiita assumir o controle do palácio presidencial. Ban Ki-moon disse "acreditar que os hutis e o ex-presidente Saleh minaram o processo de transição", conduzido sob a liderança do presidente Hadi e interrompido desde que os milicianos xiitas armados entraram em Saná, em 21 de setembro do ano passado.

"É importante que apoiemos plenamente o processo de diálogo", disse o secretário-geral da ONU, que esteve em Riad para apresentar condolências ao rei Salman após a morte, a 23 de janeiro, de seu meio-irmão Abdullah. Os houthis anunciaram sexta-feira (6) a dissolução do Parlamento e a criação de uma nova liderança para o país, medidas intensamente denunciadas pelos partidos políticos iemenitas, incluindo o partido do ex-presidente Ali Abdallah Saleh - que se tornou um aliado dos houthis -, assim como pelas monarquias do Golfo.

O Conselho de Segurança da ONU também manifestou sexta-feira preocupação com a situação no Iêmen, pedindo a “todos os interessados, especialmente aos hutis, para respeitar os acordos já alcançados para superar a crise”. Em comunicado, os 15 países que integram o Conselho de Segurança pediram a imediata libertação do presidente, do primeiro-ministro e dos membros do governo iemenita, que estão em prisão domiciliar.

Depois da declaração de Ban Ki-moon, o emissário das Nações Unidas para o Iêmen, Jamal Benomar, anunciou hoje que todos os partidos envolvidos na crise do país aceitaram retomar as conversações nesta segunda-feira (9). O líder da milícia xiita Abdel Malek al-Houthi e todos os partidos políticos do Iêmen aceitaram retomar o diálogo (...) amanhã", disse Jamal Benomar aos jornalistas, em Sana.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati