Pompeo: acordo de controle de armas com a Rússia pode sair até final do ano

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

1 de setembro de 2020

O secretário de Estado Mike Pompeo disse que os Estados Unidos fizeram progressos rumo a um novo acordo de controle de armas nucleares com a Rússia após as negociações de agosto em Viena, o que aumenta as chances de um tratado ser assinado antes do final do ano.

“Fizemos um progresso real nas últimas semanas”, disse Pompeo em uma entrevista à estação de rádio WMAL, com sede em Washington, referindo-se às conversas entre o enviado especial dos EUA, Marshall Billingsley, e o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov.

“Espero que possamos concluir o trabalho antes do final do ano e isso seria bom para o mundo, pois reduziria os riscos associados às armas nucleares”, acrescentou.

As palavras de Pompeo indicam uma nova estratégia depois que o governo Donald Trump abandonou a exigência de participação da China nas negociações. Washington afirmou anteriormente que a extensão do tratado EUA-Rússia seria impossível sem a participação de Pequim.

A Rússia está pedindo uma extensão de cinco anos do tratado, que expira em fevereiro próximo, que limita o tamanho dos arsenais nucleares dos EUA e da Rússia.

“Estamos trabalhando em estreita colaboração com a Rússia para encontrar maneiras de reduzir o risco de uso de armas nucleares”, disse Pompeo. “Estamos discutindo detalhadamente com eles o acordo de controle de armas”, acrescentou, sem entrar em detalhes.

Ao mesmo tempo, o secretário de Estado também observou que os Estados Unidos testemunharam "atividades maliciosas" da Rússia em todo o mundo, e "deixaram claro para ela que esperam que não interfira nas eleições" presidenciais de novembro.

Ele expressou particular preocupação com as recentes ações russas perto do Alasca.

“Na semana passada, testemunhamos um incidente em que um carro russo bateu deliberadamente em um americano. Essas são as coisas nas quais estamos trabalhando em contato próximo com a Rússia, e dizemos que tal comportamento é inaceitável, que a América vai reagir”, disse Pompeo.

Na sexta-feira, o Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte disse ter avistado seis aeronaves de patrulha russas perto do Alasca. Os aviões estiveram no espaço aéreo internacional o tempo todo e não entraram no espaço aéreo dos Estados Unidos ou Canadá, disse o comunicado.

Um dia antes, o Comando Norte dos EUA disse que estava monitorando um submarino russo que emergiu perto do Alasca, observando que estava em águas internacionais.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com