Polônia: criação de extintor de incêndio que extingue a chama com som

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de junho de 2020

Bandeira da Polônia
Outras notícias sobre a Polônia
Localização da Polônia
Localização da Polônia
Bombeiro usando extintor de incêndio tradicional

A Universidade de Tecnologia da Polônia criou um extintor acústico que apaga chamas de dois metros por meio de som. Isso foi relatado pelo Centro Cultural Polonês em Kaliningrado na sexta-feira (5). O criador do extintor de incêndio, Jacek Wilk-Jakubowski, disse:

"As vantagens da tecnologia incluem baixos custos operacionais, a natureza não invasiva do trabalho (as ondas acústicas não são um produto da indústria química), a ausência da necessidade de testes de pressão cíclica, obrigatórios para os tradicionais extintores, bem como duração ilimitada em relação aos extintores convencionais. No entanto, devemos fornecer acesso à rede elétrica ou à bateria".

O dispositivo gera som com uma frequência de 17,25 Hertz. As ondas acústicas colocam o ar em movimento, o que dilui a chama e o ar ao seu redor e, portanto, limita os processos de combustão. Ao mesmo tempo, a temperatura do ar diminui. Os primeiros testes mostraram que extingui a chama em uma dúzia de segundos.

Um extintor de incêndio criado por engenheiros poloneses se assemelha a uma grande caixa oblonga sobre rodas. Em 2015, a invenção do extintor acústico foi registrada pelos estudantes Viet Tran e Seth Robertson, da Universidade George Mason.

Inicialmente, os engenheiros experimentaram altas frequências, mas depois pararam na faixa de 30 a 60 Hz. O dispositivo pesava cerca de 9 kg e era uma bolsa móvel com uma bateria recarregável.

Os estudantes estadunidenses relataram que haviam apresentado um pedido de patente para sua invenção. Tradicionalmente, a chama é extinta com água. Onde a extinção por água não é possível, são utilizados extintores cheios de dióxido de carbono, freon ou misturas de pó não combustível.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com