Pedra utilizada em estátua austríaca de 30 mil anos veio da Itália

7 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Em descobertas publicadas na segunda-feira na Scientific Reports, cientistas da Universidade de Viena e do Museu de História Natural de Viena, na Áustria, descobriram que a pedra usada para esculpir a Vênus de Willendorf veio do norte da Itália, a centenas de quilômetros de sua origem, do outro lado dos Alpes.

A escultura de 30 mil anos é um dos exemplos mais antigos da arte humana. Ele tem cerca de 11 cm de altura. Como muitas estatuetas pré-históricas, mostra uma figura feminina com um estômago e seios grandes. No entanto, enquanto a maioria desses outros exemplos foram esculpidos de marfim ou osso, a Vênus é feita de uma pedra chamada monólito, um tipo de calcário. Os cientistas acreditam que foi esculpido por pessoas da cultura gravetiana, provavelmente com ferramentas de pedra. Os cientistas deram o nome de Vênus, a deusa romana do amor.

Cientistas compararam amostras de rochas do oeste da França e do leste da Ucrânia com vistas microscópicas da Vênus. Como o monólito é uma rocha sedimentar formada por camadas de lodo e outros materiais que se acumulam ao longo do tempo, é possível discernir grãos individuais e pedaços de casca que compõem a pedra. Um dos pequenos fragmentos de concha na estátua veio de uma criatura que viveu durante o período jurássico, embora a pedra em si teria sido colhida e esculpida muito mais tarde.

Ao contrário dos exames anteriores da Vênus, que avaliavam apenas o exterior da obra, os cientistas usavam tomografia computadorizada para olhar dentro da estátua sem danificá-la. O escaneamento mostrou que a Vênus tinha pouca semelhança com os monólitos perto de Willendorf, mas que era quase idêntica à do Lago Garda, na Itália, do outro lado dos Alpes e do rio Danúbio, a mais de 563 km de distância. Um local de origem menos possível está na Ucrânia, a mais de 1.600 quilômetros a leste de onde a estátua foi encontrada em 1908, em Wachau, Áustria.

O autor principal Gerhard Weber especulou que a pedra pode ter se movido durante uma migração: “Quando o clima ou a situação das presas mudaram, [as pessoas] seguiram em frente, de preferência ao longo dos rios”, disse ele.

Os cientistas dizem que essas descobertas têm implicações na forma como os humanos pré-históricos dentro e ao redor dos Alpes viajaram de um lugar para outro.

O estudo foi financiado pelo estado da Baixa Áustria.

Fontes