Parada do Orgulho LGBT reúne milhares de pessoas em Copacabana

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de novembro de 2014

Brasil

Com o tema Somos Milhões de Vozes, a 19ª Parada do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) do Rio atraiu milhares de pessoas na orla da Praia de Copacabana, na zona sul da cidade, na tarde de hoje (17). O desfile pela Avenida Atlântica começou às 15h. A vice-presidente do Grupo Arco-Iris, Marcellle Esteves, um dos organizadores do evento, ressaltou que a criminalização da homofobia é uma das principais bandeiras do movimento hoje.

"Ao mesmo tempo que algumas políticas públicas avançaram em nosso benefício, o conservadorismo e a violência avançaram na mesma medida", disse. Um dos fundadores da parada, o coordenador do Programa Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, lembrou que na primeira edição do desfile, em 1995, havia apenas duas mil pessoas e que muitas usavam máscaras com vergonha de se expor. "Hoje passamos da marca de 1 milhão, gente que vem com a cara e a coragem, se coloca e busca seus direitos", disse. "A causa da cidadania LGBT ultrapassou os muros da comunidade gay, pois a população entende que uma sociedade feliz se todos tiverem direitos e o reconhecimento de sua liberdade", completou.

Nascimento comemorou o fato de atualmente o movimento ter o apoio das autoridades e órgãos públicos, o que era impensável há 20 anos. "Mas precisamos avançar. Além do apoio, é preciso que a sociedade se indigne contra o preconceito e a discriminação. Hoje muita gente é discriminada, assassinada, porque alguém viu e não procurou ajuda", disse

Para a professora de português, Suiá Dylan Ferreira, o clima de festa e descontração não ofusca o principal objetivo do encontro que é exigir respeito e o fim da violência contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. "É uma opção política do movimento, é uma característica do movimento, ser alegre, colorido e divertido. Acho ótimo", disse. "Dá visibilidade para as minorias, que merecem ser reconhecidas e ter seus direitos respeitados", acrescentou.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati