Ortega demite seu embaixador na OEA, que denunciou "uma ditadura" na Nicarágua

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

24 de março de 2022

link=mailto:?subject=Ortega%20demite%20seu%20embaixador%20na%20OEA,%20que%20denunciou%20"uma%20ditadura"%20na%20Nicarágua%20–%20Wikinotícias&body=Ortega%20demite%20seu%20embaixador%20na%20OEA,%20que%20denunciou%20"uma%20ditadura"%20na%20Nicarágua:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Ortega_demite_seu_embaixador_na_OEA,_que_denunciou_%22uma_ditadura%22_na_Nicar%C3%A1gua%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook link=https://twitter.com/intent/tweet?text=Ortega+demite+seu+embaixador+na+OEA,+que+denunciou+"uma+ditadura"+na+Nicarágua&url=https://pt.wikinews.org?curid=78595 WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject=Ortega%20demite%20seu%20embaixador%20na%20OEA,%20que%20denunciou%20"uma%20ditadura"%20na%20Nicarágua%20–%20Wikinotícias&body=Ortega%20demite%20seu%20embaixador%20na%20OEA,%20que%20denunciou%20"uma%20ditadura"%20na%20Nicarágua:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Ortega_demite_seu_embaixador_na_OEA,_que_denunciou_%22uma_ditadura%22_na_Nicar%C3%A1gua%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O governo de Daniel Ortega demitiu esta quinta-feira o representante permanente da Nicarágua na Organização dos Estados Americanos (OEA), Arturo McFields Yescas, um dia depois de ter denunciado publicamente neste fórum regional que o país vive uma das crises mais graves direitos humanos nos últimos anos.

Em primeira instância, o governo Ortega reagiu com uma carta emitida pelo Ministério das Relações Exteriores indicando que McFields não representava a Nicarágua e que seu representante perante a OEA era Francisco Campbell Hooker. A nomeação foi efetivamente feita esta quinta-feira, quando foi notificada no diário oficial.

“Revogar a nomeação de Arturo McFields para o cargo de representante permanente da República da Nicarágua, com o posto de embaixador junto à OEA”, diz o acordo presidencial publicado em La Gaceta.

A denúncia de McFields representa um golpe no governo Ortega, que sempre negou as condições de tortura denunciadas pelos familiares dos presos políticos, mas que também parece coeso.

Em 2019, o magistrado do Supremo Tribunal de Justiça, Rafael Solís, que até hoje está exilado na Costa Rica, também renunciou.

Fontes