Nicarágua sai da OEA, apesar de pressão dos Estados Unidos

Fonte: Wikinotícias
Daniel Ortega

18 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A partir de domingo, 19 de novembro, a Nicarágua deixará de ser membro da Organização dos Estados Americanos (OEA), ação que entra em vigor dois anos depois de Daniel Ortega ter decidido retirar o país da organização.

Em entrevista, Eric Jacobstein, do Departamento de Estado Americano, garantiu que os Estados Unidos - juntamente com uma coalizão de países na OEA – vão continuar avaliando como podem “trabalhar para pressionar a Nicarágua a acabar com a repressão e restaurar a democracia”.

Em 2021, o ministro das Relações Exteriores da Nicarágua, Dennis Moncada, apontou a OEA como “um fórum político que atuará como instrumento de interferência e intervenção dos Estados Unidos”.

“A decisão da Nicarágua é uma medida perfumada para minar os esforços da OEA para exigir responsabilização do regime pelos seus contínuos abusos dos direitos humanos”, alegou Jacobstein.

Na quinta-feira, como parte de medidas “adicionais” para resolver a situação na Nicarágua, o presidente Joe Biden prorrogou por mais um ano o decreto que considera a Nicarágua “uma ameaça incomum e extraordinária” à sua segurança nacional.

Fontes[editar | editar código-fonte]