Obama vai atacar Estado Islâmico

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

10 de setembro de 2014

Estados Unidos

O presidente Obama anunciou um plano para destruir o Estado Islâmico, que, nas suas palavras, não é Estado nem islâmico, sem recorrer à força militar. O plano envolve quatro pontos principais: dar apoio militar ao novo governo iraquiano para o combate ao EI, sem envio de tropas de solo; aumentar o apoio aos rebeldes de oposição ao governo da Síria; angariar apoio e recursos da comunidade internacional; oferecer ajuda humanitária aos muçulmanos sunitas e xiitas das regiões de controle do EI que estão refugiados, além de cristãos e outras minorias religiosas.

Obama definiu desta forma seu plano: "Quero que os americanos entendam que esse esforço será diferente das guerras no Iraque e no Afeganistão. Ele não envolverá tropas dos Estados Unidos combatendo em solo estrangeiro. Essa campanha antiterrorismo será travada através de um esforço incansável e constante para eliminar o EI onde quer que ele exista, usando nosso poder aéreo e o apoio de forças aliadas em solo. Essa estratégia para erradicar terroristas que nos ameaçam, apoiando parceiros nas linhas de frente, é a mesma que temos aplicado com sucesso no Iêmen e na Somália há anos".

Ele completou dizendo que "O poder americano pode fazer uma diferença decisiva, mas não podemos fazer pelo Iraque o que eles devem fazer por si mesmos”, afirmou. "Esta é a liderança americana em sua melhor forma: apoiamos os povos que lutam por sua própria liberdade." Basicamente, os jatos americanos vão dar apoio aos solados iraquianos em solo.

Obama também disse que o exército americano não terá na Síria o mesmo papel que no Iraque. No discurso, ele pediu a autorização do congresso dos EUA para aumentar a quantidade de armas e dinheiro a ser enviada aos rebeldes de oposição ao governo de Bashar al-Assad. “Na luta contra o EI, nós não podemos contar com o regime de Assad, precisamos fortalecer a oposição”, afirmou.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati