Norte-americanas fazem greve no Dia Internacional da Mulher

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

9 de março de 2017

No Dia Internacional da Mulher (8), norte-americanas entraram em greve para protestar contra diferenças de salários entre homens e mulheres e contra a desigualdade de gênero. A população foi às ruas na capital, Washington, em Nova Iorque, em Los Angeles e outras cidades menores. A greve foi organizada pelo mesmo grupo da Marcha das Mulheres, que reuniu milhares de americanos no dia 21 de janeiro, um dia após a posse do presidente Donald Trump.

O movimento, chamado de “Um dia sem uma mulher”, pedia para que as mulheres não trabalhassem, mesmo que fossem tarefas domésticas, e nem mesmo fossem às compras, para mostrar o seu peso na sociedade norte-americana. A ideia é baseada no ato “Dia sem um imigrante”, que ocorreu no mês passado em protesto contra as políticas anti-imigratórias do presidente dos Estados Unidos.

Barbara Balducci esteve com o marido John nas manifestações. Eles são funcionários aposentados do Pentágono e dizem que querem participar porque estão preocupados com o atual governo, sobretudo com as políticas para mulheres, imigrantes e de saúde. “Eu acho que é responsabilidade de todos apoiar todos os americanos, homens e mulheres, e trabalhar o máximo possível para que o país vá em uma direção positiva”, diz John.

Parlamentares do partido democrata, como a líder do partido na Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, também demonstraram apoio às manifestações. A greve teve adesão de mulheres e de homens, mas impactou negativamente algumas famílias e foi acusada de elitista por alguns, já que, por causa da falta de funcionárias, várias escolas tiveram que fechar e mães e pais não tiveram com quem deixar os filhos para ir ao trabalho.

Ericha Crawford é gerente de uma rede de mercados na capital, Washington. Ela diz que gostaria de ter participado da greve, mas que “tem contas que tem que ser pagas” e ninguém poderia substituí-la no trabalho. Ela diz que é muito difícil comandar uma equipe de dez homens sendo mulher, “ainda mais sendo uma mulher negra”.

Mucella Campbell esteve nas manifestações e defendeu que as mulheres são metade da população do mundo e devem ser respeitadas. “Muitas das decisões que tem sido tomadas são contra as mulheres”, diz. Segundo ela, uma das principais políticas a que as manifestantes se opõem é a chamada “Global Gag Rule”, lançada por Donald Trump no dia 23 de janeiro, que impede que organizações estrangeiras que realizem abortos recebam dinheiro de ajuda externa dos Estados Unidos.

O aborto também é a principal questão que preocupa Renee Fontenot. Ela é contra as manifestações e diz que acredita em direitos iguais, mas não é uma feminista. “Eu acho que o aborto é imoral. Eu acho que ele deve ser legal, mas é errado”. Ela diz que resolveu dar uma chance ao novo presidente, por ele não ser um político, já que ela acredita que o país "já tem políticos demais". “Eu não sou uma socialista, de maneira alguma”, mas completou dizendo que o novo presidente não deve proibir o aborto no país, mas sim limitá-lo, já que, segundo ela, a lei que prevê o aborto não pode ser revogada.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati