No 7 de Setembro, manifestantes fazem reivindicações e criticam Sarney

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

7 de setembro de 2009

Brasil


Manifestantes aproveitaram o desfile de 7 de setembro para fazer passeatas e protestos. Um das manifestações foi promovida por estudantes e integrantes da sociedade civil, que pediram a saída do senador José Sarney (PMDB-AP) da presidência do Senado. Segundo o estudante de arquitetura da Universidade de Brasília (UnB) Alexandre Fortunato, 20 anos, a expectativa era tentar chegar perto da tribuna onde estava o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras autoridades, mas eles foram impedidos por seguranças e policiais militares.

O estudante de Ciência Política da UnB Raul Cardoso afirmou que foi empurrado por um policial militar e houve conflito entre manifestantes e alguns policiais. Os cerca de 50 manifestantes derrubaram uma das grandes de segurança e ficaram atrás de arquibancadas, mas ainda distante da tribuna de honra, onde estavam as autoridades. Eles cantaram o Hino Nacional e gritaram pedindo a saída do Sarney.

Os estudantes usaram um cartão vermelho como símbolo do movimento, a exemplo do senador Eduardo Suplicy (PT-SP). No último dia 25, Suplicy mostrou um cartão vermelho para Sarney, que estava ausente da sessão, e pediu que o senador renunciasse ao cargo de presidente da Casa.[1]


Cquote1.png

O movimento não tem vinculação partidária. A gente só quer mostrar nossa indignação contra o Senado. O Sarney é um representante simbólico, mas a luta é contra todo Senado.

Cquote2.svg
Raul Cardoso, que acrescentou que a ideia é chamar a atenção não somente do presidente, mas de toda a sociedade




Outra manifestação ocorrida hoje em Brasília foi a do Grito dos Excluídos, que contou com apenas cerca de 30 participantes. A 15º edição do Grito dos Excluídos tem o objetivo de protestar contra a crise econômica mundial e as demissões, a corrupção e a criminalização dos movimentos sociais, além de defender melhores salários e manutenção de direitos.

Na tarde de hojve, devem ocorrer manifestações do Grito dos Excluídos em outras cidades, como Curitiba, Rio de janeiro, São Paulo, Goiânia, Salvador, Fortaleza e Manaus.

Também se concentraram em Brasília cerca de 20 aposentados. Eles fizeram o Grito do Ipiranga em protesto contra a proposta do governo para os aposentados, acertada com as centrais sindicais. Segundo o presidente da Associação dos Aposentados, Pensionistas e Idosos do Distrito Federal e Entorno, João Pimenta, os manifestantes também defedem propostas, em tramitação no Congresso, que estendem reajuste do salário mínimo para todos os aposentados e pensionistas, acabam com o fator previdenciário e recompõem perdas salariais.

Outro grupo que se reuniu na Esplanada foi organizado pelo Grupo Crítica Radical. Os cerca de 20 manifestantes pediam a extradição do italiano Césare Batisti. Segundo Rosa Fonseca, integrante do movimento, amanhã (8) será realizada uma vigília em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF). Na quarta-feira (9), o STF decidirá se aceita ou não o pedido de extradição. “Trinta anos depois da anistia, não faz sentido o Brasil manter um preso político”, argumentou Rosa.

Veja mais notícias

  1. * Suplicy dá cartão vermelho para Sarney

Fontes


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati