Na França, renuncia o ministro da Economia, Emmanuel Macron

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emmanuel Macron em 28 de abril de 2015.
Foto: Claude TRUONG-NGOC.

30 de agosto de 2016

Na França, o ministro da Economia, Emmanuel Macron, se demitiu na terça-feira. De acordo com o Eliseu (Elysée, a sede do Palácio Presidencial francês) o pedido de demissão visa para “consagrar-se plenamente a seu movimento político” En Marche ! (“Em Marcha!”, em francês, as mesmas iniciais o ex-ministro). Macron não tem desmentido os rumores de sua candidatura às eleições presidenciais de 2017, no entanto, de lançar-se às presidenciais seria o político de esquerda mais aceito pelos franceses, segundo a sondagem.

Seu pedido de renúncia como ministro aconteceu às 15 horas (hora local, 14hs de Lisboa e 10hs de Brasília) após uma reunião improvisada com o presidente francês François Hollande, mesmo não sendo anunciado pela agenda do Elysée, já que anunciou que iria apresentar sua renúncia à hora prevista.

Emmanuel Macron foi se encontrar com François Hollande a bordo de um barco de transporte fluvial de Bercy para o Eliseu e de Eliseu para Bercy onde ingressou depois de apresentar a sua demissão. O futuro ministro da Economia poderia ser Michel Sapin, o atual ministro das Finanças, ou uma pessoa menos conhecida, Matthias Fekl, o atual secretário de Estado do Comércio Exterior, da Promoção do Turismo e Francês do exterior pela I-Télé.

No entanto, às 17 horas (hora local, 16hs de Lisboa e 12hs de Brasília) o substituto do Emmanuel Macron foi designado: se trata de Michel Sapin, que se tornará o Ministro da Economia, enquanto mantém o cargo do Ministério das Finanças. Com a indicação de Sapin ao novo ministério, o cargo em que ele ocupava, o ministro das Finanças, foi extinto junto com o da Economia, passando ser único ministério, agora como Ministério da Economia e Finanças.

Na mesma hora do anúncio do novo ministro, o Eliseu também anunciou outra mudança de nome nos ministérios: a saída de George Pau-Langevin, a ex-ministra do Ultramar, por razões pessoais. Pau-Langevin será substituída por outra nova ministra Ericka Bareigts.

Reações

Muitas personalidades políticas se expressavam de forma séria e irônica a apresentação da renúncia de Macron ao agora ex-ministro da Economia. De acordo com algumas figuras, seria uma farsa e que o ministro não teria qualquer incentivo para se demitir.

De acordo com Ismaël Emelien, um dos conselheiros do ministro, « s'il met ce projet à exécution dans la perspective de conquérir l'Elysée » (“ele se coloca esta execução do projeto com vista a conquista do Eliseu”).

Um eleito socialista de Haute-Garonne achou que sua renúncia seria um equívoco no momento, « Emmanuel Macron a davantage le nez dans les dossiers, EDF ou Alstom notamment, que dans les cartons » (“Emmanuel Macron tem mais nariz nos dossiês, EDF e Alstom em particular, que nos cartões”).

Histórico

Emmanuel Macron havia chegado o Ministério da Economia e Finanças em 2014, após uma reorganização ministerial. Propôs a lei que leva seu nome, a “Lei de Macron”, que ditava a extensão do trabalho no domingo, a flexibilização nas demissões e uma lei para criar rotas nacionais de autocarro (ou ôbibus), que criaram 1.500 empregos. No entanto, gerou-se uma grande polêmica ao ser aprovada recorrendo ao artigo 49-3 da Constituição, “que permite obter a adoção do texto sem o voto dos deputados”.

Macron se destaca da visão política do presidente e do primeiro-ministro desde seu anúncio da criação de seu próprio movimento, chamado En Marche !. Cerca de 3.000 dos seus apoiantes se reuniram em Paris durante o encontro em 12 de julho.

Recentemente, algumas semanas atrás, o então ministro havia declarado não ser socialista e deseja conduzir uma política mais liberal. Em 19 de agosto, Emmanuel Macron tinha especificado que « L'honnêteté m'oblige à vous dire que je ne suis pas socialiste » (“a honestidade me obriga a lhes dizer que eu não sou socialista”) e que era irrelevante ser ou não a esquerda, como ele agiria no interesse público. Esta saída já tinha mostrado um distanciamento com a política oficial do governo Valls.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati