Na Flórida, leitos em unidades de terapia intensiva lotaram

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de julho de 2020

A situação na Flórida tornou-se ainda mais complicada no domingo, quando cerca de 50 hospitais estaduais relataram que não tinham leitos em unidades de terapia intensiva.

A Flórida tornou-se o epicentro da pandemia nos Estados Unidos. O número de novos casos por cinco dias consecutivos ultrapassou 10 mil e, no domingo, mais de 12 mil foram registrados.

O prefeito de Miami, Francis Suarez, tornou obrigatório o uso de máscaras em locais públicos. A partir dessa segunda-feira, qualquer pessoa que descumprir a regra receberá uma multa de US$ 50. Uma terceira violação implica uma multa de US$ 500.

O prefeito de Miami Beach, Dan Gelber, impôs toque de recolher a partir das 20h na área de South Beach, famosa por seus inúmeros bares e discotecas. “A regra de usar máscaras era respeitada, mas não o suficiente. Em algum momento, era como uma festa, uma festa ao ar livre”, disse Gelber.

Na Europa, o foco mudou para a reabertura. O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse no domingo que os líderes europeus precisam superar as diferenças, concordar com um orçamento e com um fundo comum para se recuperarem da pandemia de COVID-19.

Aparentemente, na noite de domingo, os 27 líderes da União Europeia estavam discutindo um projeto de orçamento no valor de US$ 2,1 trilhões, dos quais 858 bilhões serão alocados a empresas e outras vítimas da pandemia.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, no domingo, mais de 3 milhões de casos foram confirmados na Europa, mais de 200 mil morreram. O coronavírus causou uma profunda recessão: economistas prevêem que a economia do bloco encolherá 8,3% neste ano.

Segundo jornalistas de Bruxelas, um grupo de países ricos do norte da UE defende um controle mais rígido sobre os gastos, dos quais os países do sul que mais sofreram com a pandemia, incluindo Itália e Espanha, discordam.

Nos EUA, o número de novos casos de COVID-19 estabelece novos recordes tristes. Nesse contexto, o prefeito de Los Angeles, Eric Garcetti, disse que estava "prestes a emitir um decreto proibindo saírem de casa". Ele também acusou a Casa Branca de não ter liderança nacional na luta contra a doença.

“Esta questão foi politizada quando deveria nos unir. Fomos deixados sozinhos quando deveríamos obter ajuda”, disse ele à CNN no domingo. “Sabemos que isso será uma maratona. Pare de dizer às pessoas que tudo acabará em breve. Se não nos unirmos como país sob liderança nacional, testemunharemos novos casos de morte”.

O governador da Califórnia, Gavin Newsome, fechou bares e restaurantes em todo o estado na semana passada devido a uma onda de novos casos.

Enquanto isso, o presidente do Chile, maior produtor mundial de cobre, anunciou um plano em cinco etapas para reabrir o país. “Cinco semanas de melhoria nos permitirão avançar para uma nova fase”, anunciou o presidente Sebastián Piñera no domingo. “Este plano será implementado passo a passo, com cuidado e prudência, será aplicado de forma gradual e flexível”, acrescentou.

Piñera anunciou planos de abrir o Chile depois que a taxa de incidência melhorou em algumas regiões do país. Segundo a OMS, no domingo, o país registrou 2.300 novos casos. No total, 328 mil casos foram detectados, 8.500 pessoas morreram.

O ministro das Relações Exteriores da Nigéria, Jeffrey Oneyama, anunciou que está com coronavírus. Ele realizou o teste após sentir uma irritação na garganta. Segundo a OMS, 36 mil pessoas foram infectados pelo vírus no país. Cerca de 800 nigerianos morreram desta doença.

Oneyama disse que estava isolado em uma instituição médica, mas não pareceu muito preocupado no Twitter: “Isso é vida. Você ganha em algum lugar, perde em algum lugar”.

A lenda do golfe, Jack Nicklaus, disse aos espectadores que assistiam ao torneio da Professional Golfers Association que ele e sua esposa, Barbara, também testaram positivo.

“A doença não durou muito e tivemos muita, muita sorte”, disse Niklaus. “Barbara e eu somos idosos, temos 80 anos, essa é a idade de risco. Nosso coração está voltado para as pessoas que perderam vidas e suas famílias. Acabamos por ser um casal de sorte”.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com