Muçulmanos de Camarões imploram pelo fim da crise separatista

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

21 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Muçulmanos em Camarões marcaram o Eid al-Adha, Festival do Sacrifício, orando pelo fim do conflito separatista do país, que matou mais de 3.000 pessoas desde 2017. Os líderes muçulmanos também apelaram aos céticos da vacina em Camarões contra COVID-19, que infectou mais de 80.000 pessoas e matou pelo menos 1.300.

O clérigo muçulmano Bouba Goi Goi oficiando as orações de Eid al-Adha no Complexo Islâmico na capital de Camarões, Yaoundé, disse em seu sermão que todos os muçulmanos deveriam viver em completa submissão a Deus para desfrutar a vida eterna, tanto física na terra quanto espiritual no céu com Alá.

Souley Mane é o porta-voz da Comissão Nacional da Lua Crescente dos Camarões, responsável por anunciar o dia das festas muçulmanas.

Ele disse que Bouba pediu aos camaroneses de todas as denominações religiosas que educassem os civis sobre a necessidade de estabilidade no estado da África Central.

“É uma oportunidade para todo muçulmano ter um projeto espiritual de orar pela paz, segurança, unidade, saúde e convivência em nosso país. Um bom muçulmano deve ser um embaixador de sua religião, alguém que tenta trabalhar mais por sua família, por sua comunidade e por seu país”, disse ele.

Mane disse que as 1.500 pessoas no complexo de oração incluem cristãos.

O coordenador do conselho, Moussa Oumarou, disse que os muçulmanos que são combatentes separatistas devem largar as armas e encorajar seus pares de outras religiões a pararem de lutar.

Camarões estima que haja pelo menos 2.000 combatentes separatistas em suas regiões ocidentais de língua inglesa. O governo disse que o número de combatentes que são muçulmanos é desconhecido, já que os rebeldes se escondem como civis.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit