Morre o ex-presidente argentino Raúl Alfonsín

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

1 de abril de 2009

O ex-presidente da Argentina, Raúl Ricardo Alfonsín, morreu aos 82 anos após um diagnóstico de pneumonia no domingo, causada por câncer do pulmão. O ex-presidente morreu, 20h30 (23h30 UTC) em sua residência, no bairro de Recoleta, na cidade de Buenos Aires.

"Infelizmente, às 20h30, o Dr. Raúl Alfonsín morreu em casa, acompanhado pela sua família, em muita paz. Ele estava dormindo, com dificuldades sensoriais e respiração muito calma. (...) Aconteceu de uma forma muito tranquila e acompanhado pela sua família, como ele sempre quis", disse seu médico pessoal, Alberto Sadler, em 21h10 (0h10 UTC da quarta-feira). No entanto, a notícia havia vazado minutos antes.

O presidente interino, Julio Cobos (já que a presidente, Cristina Fernández de Kirchner está em Londres, para o G-20) decretou três dias de luto nacional.

O ex-presidente sofria de câncer do pulmão com metástase óssea. Além disso, sua saúde deteriorou no domingo devido a um padrão de pneumonia brônquica. Sua última aparição pública foi em outubro do ano passado, quando ele executou um tributo aos seus 25 anos de sua presidência.

Perfil do presidente

Nascido em 12 de março de 1927 na cidade de Chascomús, Alfonsín foi o primeiro presidente democrático da Argentina após o Processo de Reorganização Nacional, a última ditadura do país. Membro do Partido União Cívica Radical (UCR), ele atuou entre 1983 e 1989, mas teve de entregar o cargo por afastamento alguns meses antes, devido à crítica situação econômica.

Em plena ditadura, Alfonsín ofereceu serviços gratuitos como advogado para apresentar habeas corpus para os detidos pela justiça. Essa situação era de alto risco. Sua popularidade cresceu depois da derrota na Guerra das Malvinas, o que causou uma crise no governo militar de facto.

A frágil posição da junta militar levou à sua queda e as chamadas para as eleições em 1983, em que Alfonsín derrotou por 51,7% ao peronismo, que conquistou 40,1% dos votos. Durante a sua administração, foi a julgamento em conjunto, em que foram condenados os dirigentes do regime anterior.

Devido a insubordinação militar, o ex-presidente apoiou as leis de Ponto Final e Obediência Devida aos processos dos responsáveis pela ditadura. No entanto, estas regras foram revogadas em 2003, durante o governo de Néstor Kirchner.


Hoje acabou a imoralidade pública. Faremos um governo decente.
Raúl Alfonsín. Discurso de posse presidencial apos o fim da ditadura, em 1983.


Fontes

Na Wikipédia há um artigo sobre Raúl Alfonsín.