Ministro dos Negócios Estrangeiros alemão fala com as vítimas da seita Colonia Dignidad

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

26 de abril de 2016

O ministro das Relações Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, falou pela primeira vez com as vítimas de uma seita Colonia Dignidad e compensação de demanda para os danos físicos e mentais que o tempo na seita causou. No longo prazo, o governo não reagiu. Agora, em 26 de Abril de 2016, os políticos ouvir a história das vítimas.

Há casos em que a acção legal não é suficiente. Casos em que a responsabilidade que todos nós tomamos, nos manda fazer mais.

Frank-Walter Steinmeyer, ministro dos Negócios Estrangeiros alemão

Em 1961, Paul Schäfer fundou um povoado cristão no Chile a partir do momento que ele não poderia continuar seu programa para jovens protestantes na Alemanha, devido a razões legais. O programa atraente na base da comunhão cristã havia razão para participar de uma viagem ao Chile e afiliado à comunidade religiosa. Inicialmente, o acordo teve uma boa chamada para a sua missão social. Mas ao longo do tempo tornou-se claro que os membros desta colónia foi mentalmente e fisicamente humilhados e abusados ​​sexualmente, especialmente pelo fundador Paul Schäfer. No longo prazo, o governo alemão não estava interessado em uma explicação de práticas na colónia. Embaixadores descrevam o acordo como limpo e arrumado. Os menores, que fugiram para a Alemanha foram devolvidos para a colónia. Pela primeira vez em 1984, quando os refugiados conseguiram deixar a colônia eles divulgaram as atrocidades. O Estado chileno respondeu em 1991 com um mandado de prisão contra Schäfer.

Apesar disso, Schäfer foi preso em 2006 e morreu em 2010, as vítimas requer uma explicação do conceito da seita e um pedido de desculpas pela supervisão do Estado alemão. Steinmeyer prometer a sua assistência e entrega rápida de material para descobrir informações sobre a colónia. A estratégia deve ser reconhecido para evitar encontro dessas seitas no futuro.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati