Ministro das Relações Exteriores da China e enviado russo visitam Afeganistão

25 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Talibã

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, fez uma visita surpresa de um dia ao Afeganistão, onde autoridades disseram que ele manteve amplas conversas com os governantes do Talibã e renovou a oposição da China às sanções internacionais contra o país devastado pela guerra.

A visita não anunciada de Wang na quinta-feira, sua primeira desde a tomada do país pelo Talibã em agosto passado, ocorreu uma semana antes de Pequim receber os vizinhos do Afeganistão para uma reunião sobre como ajudar o país a enfrentar sua crise humanitária e agitação econômica.

O ministro das Relações Exteriores do Talibã, Amir Khan Muttaqi, também representará Cabul na reunião, agendada para 30 e 31 de março, e informará os participantes sobre a situação mais recente no Afeganistão.

Logo após o chefe da diplomacia chinesa encerrar a viagem a Cabul, uma delegação sênior da Rússia desembarcou na capital afegã sob a liderança de Zamir Kabulov, enviado do presidente Vladimir Putin para o Afeganistão.

As conversas em nível de delegação entre Muttaqi e Wang se concentraram no fortalecimento dos laços políticos, econômicos e comerciais bilaterais entre eles, de acordo com um comunicado pós-reunião do Talibã.

Wang foi citado dizendo que “a China não interfere nos assuntos internos afegãos nem deseja salvaguardar seus interesses por meio de tais intervenções.” O diplomata chinês se opôs à imposição de sanções políticas e econômicas contra o Afeganistão, disse o comunicado.

Bolsas de estudo para estudantes afegãos, questões de visto, início do trabalho de investidores chineses no setor de mineração e o papel do Afeganistão na Iniciativa do Cinturão e Rota de Pequim (BRI) também surgiram em discussões, acrescentou o comunicado.

A China espera que o Afeganistão cumpra seu compromisso de não permitir que nenhuma força externa use seu território como uma ferramenta para se opor aos vizinhos ou prejudicar a segurança de outras nações, um comunicado do Ministério das Relações Exteriores chinês citou Wang em uma reunião com o vice-primeiro-ministro Abdul Ghani Baradar.

“Senhor Baradar enfatizou que o território do Afeganistão não será usado contra nenhum país”, disse um comunicado do Talibã. “Garantir a paz e a segurança no Afeganistão significa paz e estabilidade na região”, disse Baradar a Wang.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, ao falar em uma coletiva de imprensa regular em Pequim na quinta-feira, destacou a importância da reunião dos vizinhos do Afeganistão na próxima semana.

"Estamos acelerando os preparativos para a terceira reunião de ministros das Relações Exteriores entre os países vizinhos do Afeganistão", disse Wang Wenbin em entrevista coletiva. “Como vizinha do Afeganistão, a China está pronta para alavancar sua força e contribuir para a estabilidade e segurança duradouras do país”, disse ele.

Pequim manteve laços com o Talibã mesmo quando eles estavam travando uma insurgência mortal contra os Estados Unidos e as tropas da coalizão. O grupo linha-dura tomou o poder do agora extinto governo afegão apoiado pelos EUA sete meses atrás, quando as forças internacionais se retiraram do Afeganistão após 20 anos de guerra.

Mas a China até agora não estendeu o reconhecimento diplomático ao governo do Talibã nem à comunidade global em geral.

No entanto, Pequim e outros países vizinhos, incluindo o Paquistão, mantêm suas embaixadas abertas em Cabul desde a caótica retirada das forças ocidentais no final de agosto.

Autoridades chinesas insistem que seu envolvimento com o grupo islâmico se concentra principalmente em questões antiterroristas e humanitárias e qualquer decisão de reconhecer o governo talibã terá que ser tomada coletivamente pelos países regionais.

A China e o Afeganistão compartilham cerca de 76 quilômetros de fronteira acidentada.

Fontes