Mianmar: Vários jornalistas detidos pelos militares ao reprimir a imprensa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Professores protestam contra golpe militar (9 de fevereiro de 2021, Hpa-An, estado de Kayin, Mianmar)

17 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As forças de segurança de Mianmar detiveram nos últimos dias pelo menos seis jornalistas no país, e a liderança militar, que assumiu o poder no início de fevereiro ao remover o governo eleito, mudou as leis para permitir buscas sem mandado, detenções sem aprovação do tribunal e vigilância reforçada, de acordo com relatórios de fontes de notícias locais e internacionais.

Repórteres em Mianmar disseram que era muito arriscado falar com a mídia estrangeira ou grupos de direitos humanos, e alguns descreveram receber telefonemas de autoridades perguntando sobre para quem trabalhavam. Alguns repórteres disseram que foram aconselhados a ter cuidado ao lidar com dados confidenciais ao informar sobre o golpe e os protestos, no caso de suas anotações e dispositivos serem usados como prova contra eles.

"Com censura, ameaças e intimidação, a liberdade de imprensa foi repentinamente retrocedida 10 anos em 10 dias", disse Daniel Bastard, chefe do escritório da Repórteres sem Fronteiras para a Ásia-Pacífico, em um comunicado.

Shawn Crispin, representante sênior do Comitê para a Proteção dos Jornalistas ("Committee to Protect Journalists") no Sudeste Asiático disse que, “As autoridades da Junta devem cessar e desistir de assediar, deter e ameaçar a mídia e deixar que os jornalistas façam seu trabalho sem medo de represálias. “A temida repressão da mídia em Mianmar está dando frutos com crescentes ameaças aos jornalistas”.

Notícias Relacionadas

Fonte