Militares de Mianmar visam profissionais enquanto as manifestações continuam

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Professores protestam contra golpe militar (9 de fevereiro de 2021, Hpa-An, estado de Kayin, Mianmar)

14 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Os protestos generalizados em Mianmar continuaram pelo oitavo dia de sábado, depois que as manifestações de sexta-feira na cidade de Mawlamyine viram várias prisões e balas de borracha disparadas.

Em Yangon, os manifestantes seguraram cartazes com os dizeres “Pare de sequestrar à noite” em resposta a reides noturnos que ocorreram nos últimos dias.

São essas batidas que deixam as comunidades locais ansiosas, já que a junta tenta prender manifestantes proeminentes de suas casas e escritórios.

Desde que os protestos contra o golpe começaram, membros da equipe médica se juntaram ao Movimento de Desobediência Civil, uma campanha de greve que rejeita o governo militar.

A ONU diz que mais de 350 pessoas, incluindo funcionários, ativistas e monges, foram presos em Mianmar desde o golpe de 1º de fevereiro Eles insistem que não voltarão ao trabalho até que os líderes eleitos de Mianmar sejam devolvidos ao poder. Vários outros setores profissionais se seguiram, incluindo banqueiros, professores e engenheiros.

As manifestações continuaram, apesar da proibição de reuniões de cinco ou mais pessoas. Várias cidades em Mianmar também estão sob um toque de recolher imposto pelos militares a partir das 20h às 4 da manhã.

Notícias Relacionadas

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit