Mediador internacional propõe aos guineenses pacto de estabilidade

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

18 de setembro de 2015

O ex-presidente da Nigéria, Olesegun Obasanjo, mediador da Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental para a crise política na Guiné-Bissau, propôs aos guineenses a assinatura de um pacto de estabilidade a ser assinado por todos.

Para Obasanjo um pacto de estabilidade pode evitar crises como a que ocorreu agora, entre o presidente guineense, José Mário Vaz, e o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), vencedor das últimas eleições legislativas.

O pacto de estabilidade seria assinado por partidos políticos, o presidente da República, o líder do Parlamento, o primeiro-ministro e a sociedade civil, tendo como base a cooperação, a colaboração e a concertação, defendeu Obasanjo.

O presidente José Mário Vaz nomeou ontem Carlos Correia, de 81 anos, primeiro-ministro, encerrando um impasse que durava mais de 30 dias, desde a sua decisão de exonerar o governo que era liderado por Domingos Simões Pereira. Vaz nomeou Baciro Dja primeiro-ministro, mas o Supremo Tribunal de Justiça anulou a decisão por considerá-la inconstitucional. É a quarta vez que Carlos Correia, veterano da luta pela independência, assume a chefia do governo na Guiné-Bissau.

"Tanto o presidente quanto o novo primeiro-ministro reconheceram a necessidade de colaboração, cooperação, concertação e diálogo. A Constituição do país estabelece que as instituições funcionem na base da cooperação", observou Obasanjo.

Notícias Relacionadas

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati