Manifestantes começam a se dispersar em Brasília

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

15 de março de 2015

Após cerca de quatro horas de protestos em Brasília, Distrito Federal as pessoas começam a deixar a Esplanada dos Ministérios. Antes, portando faixas pedindo o fim da corrupção e também o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, elas se posicionaram em frente ao Congresso Nacional.

A manifestação, que começou às 9h, teve seu ápice quando uma enorme bandeira brasileira foi estendida ao lado do espelho d'água do Congresso e os manifestantes cantaram o hino nacional. Alguns chegaram a entrar no lago, mas a maioria permaneceu no gramado em frente ao prédio.

A assistente social Tacília Gomes foi à manifestação com as noras e os netos. “É um direito nosso de protestar. Queremos o fim da corrupção e que o dinheiro vá para a saúde e educação. Também concordo com o impeachment”, disse.

O funcionário público Sérgio Lettieri também foi acompanhado dos parentes. “O país precisa de mudanças, precisar dar um basta nisso tudo que está aí”, disse, referindo-se ao esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.

Jonas Gonçalves, analista de sistema, também disse que seu protesto é contra a corrução. Ele foi à Esplanada vestido de verde e amarelo. “A gente cansou de tanta corrupção e quer ver o país passado a limpo.”

Mais radical em seu posicionamento, o funcionário público Edilmar Silva manifestou-se pela saída da presidenta Dilma. “A gente quer o impeachment da Dilma. Ela tem que sair, ela é a responsável pela corrupção no país”, defendia.

Além do governo, o Parlamento também foi muito criticado por Edilmar Silva, que estava indignado com o anúncio do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de que pretende construir mais um anexo para ser ocupado pelos parlamentares. “É uma vergonha um presidente da Câmara vir dizer que vai gastar mais de R$ 1 bilhão para construir outra cidade dentro da Câmara”, disse, referindo-se à proposta de que o novo prédio tenha lojas e restaurantes.

No auge, a manifestação chegou a ter 45 mil pessoas, segundo dados da Polícia Militar do Distrito Federal. Ainda de acordo com a PM, não houve registros de ocorrências de violência, e a manifestação seguiu tranquila ao longo de toda a manhã.

Notícia Relacionada[editar]

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati