Mais de 140 morrem nas Filipinas após as enchentes

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

29 de setembro de 2009

As Filipinas fizeram um apelo para a ajuda internacional após as piores inundações em mais de 40 anos. Pelo menos 140 pessoas foram mortas e outras 32 estão desaparecidas em conseqüência das fortes chuvas e o número de mortos do desastre continua a aumentar.

O governo filipino vem tentando dar abrigo, comida e suprimentos básicos para centenas de milhares de pessoas deslocadas pelas inundações.

A tempestade tropical Ketsana trouxe chuvas torrenciais para o norte das Filipinas no sábado, inundando a maior parte da capital Manila e províncias vizinhas. A Presidenta Gloria Arroyo classificou o evento de um desastre "extremo". Ela disse que os esforços de resgate continuarão.

Dois dias depois da inundação, salvamento e operações de socorro continuam a ser prejudicados pela falta de barcos de borracha e helicópteros. Muitas vítimas estão exigindo respostas das autoridades locais para a falta de aviso prévio e a lentidão da resposta à emergência. As vítimas disseram que estavam presos em seus telhados por horas antes que o socorro chegasse.

O governo apelou para a ajuda humanitária internacional. Vilma Cabrera, secretária-assistente do Departamento de Bem-Estar Social filipino, disse na segunda-feira que precisam de doações de necessidades básicas.

"Agora precisamos de colchões, cobertores, mosquiteiros, utensílios de cozinha. Precisamos de kits de higiene e precisamos de lanternas e equipamentos de iluminação", disse Cabrera.

Os Estados Unidos doaram cerca US$ 100.000 para as Filipinas após a catástrofe, bem como a implantação de vinte soldados dos EUA em cinco barcos de borracha e um helicóptero. As pessoas têm sido advertidas sobre o perigo de doenças transmitidas pela água. Escolas filipinas foram fechadas até terça-feira e muitos escritórios permaneceram fechados.

Fontes[editar]


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati