Líbano acusa Israel de bombardear edifício em Qana onde morreram 37 crianças

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Qana Leban-pt.png

1 de agosto de 2006

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Um ataque aéreo israelense parece ter sido responsável pela demolição de um edifício de três andares no vilarejo de Qana no sul do Líbano. Segundo a Cruz Vermelha, morreram pelo menos 28 civis, inclusive 19 crianças, os quais procuravam abrigo no edifício. A polícia libanesa informou um número de mortes duas vezes maior: 56, e que morreram 37 crianças.

Um funcionário da equipe de resgate disse "as vítimas todas parecem ser civis, mulheres e crianças". Abu Shadi Jradi, um funcionário da defesa civil, disse que os corpos de pelo menos 27 crianças foram encontrados em meio às pedras.

Um morador, Mohammed Ismail, disse: "queremos que isto pare. Que Deus tenha piedade das crianças. Eles vieram aqui para evitar a luta. Eles estão batendo em crianças para colocar os rebeldes de joelhos."

Jim Muir, um correspondente BBC disse: "o edifício de três andares onde famílias se protegiam no térreo foi destruído por uma enorme cratera lateral causada por uma bomba israelense". E acrescentou "em outros lugares em Qana e ao longo de estradas em Tiro, muitos edifícios foram esmagados do mesmo modo."

O Ministro das Relações Exteriores do Líbano, Tareq Mitri, exigiu uma investigação internacional para o incidente e clamou por um imediato cessar-fogo. Ele disse: "Isto é um deliberado massacre contra civis. Aos civis em Qana foi dada a escolha entre se abrigar ou partir porque pediram que partissem. Mas como ele poderiam partir se todas as estradas foram bombardeadas? "

Mitri disse que o governo libanês tem um plano para acabar com o conflito, que inclui a entrada de tropas de uma força-tarefa internacional no sul do Líbano, além da libertação de prisioneiros israelenses e libaneses. Todavia o ministro disse que a solução só pode ser negociada depois de um cessar-fogo.

Uma sessão de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas foi convocada depois do incidente em Qana.

Durante a reunião, o secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, disse que precisa haver logo um cessar-fogo e disse: "Nós devemos condenar esta ação nos mais possíveis termos, e eu apelo a vocês para que façam o mesmo".

Resposta israelense

O Primeiro-Ministro Ehud Olmert disse sentir-se "profundamente desgostoso" mas adiantou que Israel não declararia um cessar-fogo até que fossem atingidos os objetivos estabelecidos no início da guerra. Olmert, respondendo à crítica internacional, disse que o Hizbollah usava Qana como uma base para lançamento de centenas de foguetes contra Israel.

Um alto comandante de força aérea israelense disse que Israel bombardeou o edifício em Qana na suposição de que ele era usado por militantes do Hizbollah e não por civis inocentes. Segundo o comandante: "se nós soubéssemos que havia tantos civis no interior, principalmente mulheres e crianças, certamente não o teríamos atacado".

O embaixador de Israel Dan Gillerman pediu desculpas e disse em alusão às vítimas de Qana: "Elas são vítimas do terror. Se não houvesse Hizbollah, isto nunca teria acontecido".

Fontes