Italiana libertada é ferida próximo a posto de inspecção em Bagdá

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

5 de março de 2005

O carro em que viajava a jornalista italiana seqüestrada Giuliana Sgrena foi alvejado alegadamente de forma acidental por soldados americanos. O incidente ocorreu nesta última sexta-feira, dia 4 de março, em Bagdá, logo após ela ter sido libertada pela organização Jihad Islâmica. Sgrena foi ferida sem muita gravidade mas o agente secreto italiano Nicola Calipari que a acompanhava morreu.

O primeiro ministro italiano Silvio Berlusconi disse que ficou atordoado com o acontecimento e intimou o embaixador norte-americano a dar explicações sobre o fato de as tropas dos Estados Unidos terem atirado na jornalista.

Assim que soube, o Presidente George W. Bush telefonou para o primeiro ministro italiano para desculpar-se e prometeu uma rigorosa investigação.

Segundo os militares americanos, o carro de Sgrena viajava em alta velocidade em direção a um ponto de inspeção quando a patrulha começou a acenar e sinalizar com luzes para que ele parasse. Como o veículo não parou, foram disparados tiros de advertência na parte frontal do carro.

Já ocorreram no passado ataques de carro-bomba suicida contra patrulhas americanas. Em 4 de dezembro de 2004, por exemplo, dois carros cheios de explosivos detonaram próximo a um posto de inspecção nas redondezas da Zona Verde, em Bagdá, matando 16 pessoas e ferindo dezenas de outras.

Ver também

Fontes