Itália pondera novas diretrizes da OMS sobre isolamento de pacientes com vírus

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

22 de junho de 2020

O Ministério da Saúde da Itália está pedindo a assessores do governo que avaliem as novas recomendações da Organização Mundial da Saúde, dizendo que as pessoas com COVID-19 podem sair do isolamento antes de dar negativo para o coronavírus.

A OMS disse na semana passada que pacientes que passaram 10 dias consecutivos isolados com sintomas podem ser liberados se ficarem sem sintomas por pelo menos três dias. As pessoas que não desenvolvem sintomas do COVID-19 podem parar de se isolar 10 dias após o primeiro teste positivo, de acordo com as diretrizes revisadas da OMS.

Anteriormente, a OMS recomendava o fim do isolamento das pessoas infectadas somente depois de terem sido negativas duas vezes em amostras colhidas com 24 horas de intervalo. A mudança é significativa, uma vez que muitos países estão discutindo como lidar com milhares de pessoas tecnicamente infectadas com o vírus, mas que ainda não representam um risco de transmissão para outros.

Recomendação anterior

O primeiro pacote técnico de orientação da OMS para o manejo clínico do novo coronavírus, agora conhecido como COVID-19, foi publicado no início de janeiro de 2020, logo após um aglomerado de casos de pneumonia atípica ter sido relatado pela primeira vez em Wuhan, República Popular da China, e incluiu recomendações sobre quando um paciente com COVID-19 não é mais considerado infeccioso.

A recomendação inicial para confirmar a eliminação do vírus e, assim, permitir a alta do isolamento, exigia que o paciente fosse recuperado clinicamente e tivesse dois resultados negativos de RT-PCR em amostras seqüenciais colhidas com pelo menos 24 horas de intervalo. Essa recomendação foi baseada em conhecimento e experiência com coronavírus semelhantes, incluindo aqueles que causam SARS e MERS.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com