História falsa sobre os décuplos sul-africanos foi ruim para o jornalismo: como consertar os danos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

4 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por The Conversation

É difícil imaginar um desastre jornalístico maior do que a recente reportagem sobre os décuplos do Pretoria News, com sede na capital sul-africana, mas o fato pode representar uma oportunidade para pensar novamente sobre o que poderia ser feito para lidar com a crise de confiança no jornalismo.

Por um momento, a história de uma mulher em Tembisa, a nordeste de Johanesburgo, e seu recorde de “10 bebês” parecia uma distração bem-vinda da rotina deprimente da covid-19, intriga política e fracassos do Estado.

Mas foi um momento muito breve. As bandeiras vermelhas começaram a tremular quase antes que a tinta metafórica secasse na história. Autoridades de saúde que souberam sobre um evento médico tão raro e complexo não encontraram nenhum vestígio do nascimento. Em seguida, a família do homem se distanciou do história e a mulher foi encaminhada para atendimento psiquiátrico .

O editor do Pretoria News, Piet Rampedi, e o Independent Group, dono do jornal, inicialmente defenderam sua história. Em seguida, houve uma espécie de pedido de desculpas de Rampedi, enquanto a empresa anunciava uma investigação.

Parece haver pouca dúvida de que a investigação encontrará uma avassaladora falta de bebês.

Falha jornalística e precipitação

É claro que a reportagem não passou no teste mais elementar do jornalismo, uma vez que nenhuma tentativa foi feita para verificar a alegação, e isso causou mais danos ao jornalismo. Críticos como Helen Zille, presidente da oposição Aliança Democrática, alegremente usaram a história para denegrir a mídia como um todo. Embora seja fácil descartar seu oportunismo, histórias como essa sem dúvida minam ainda mais a confiança no jornalismo. Sem confiança, o jornalismo não pode fazer seu trabalho de responsabilizar os poderosos e possibilitar a discussão cívica.

Para alguns, a resposta aos erros jornalísticos está em um controle mais rígido.

Analistas como o professor de jornalismo da Universidade da Cidade do Cabo, Herman Wasserman, apontaram que é significativo que o Independent não faça mais parte do Conselho de Imprensa da África do Sul. Ao longo dos anos, houve reclamações de que o sistema de autor regulação é ineficaz e incidentes como a história dos “Tembisa 10” podem alimentar argumentos para uma regulamentação mais rígida do jornalismo .

Mas, seria um erro seguir esse caminho. Não existe um sistema de controle possível que impeça completamente a informação incorreta, seja deliberada, manipulada ou por engano, assim como mesmo as leis mais draconianas são incapazes de prevenir completamente o crime. E o dano que controles mais rígidos causariam à liberdade de expressão e, portanto, à democracia é simplesmente grande demais.

Em vez disso, a oportunidade deve ser usada para pensar de forma diferente sobre confiança e jornalismo no alterado e esmagadoramente desordenado sistema de informação que habitamos agora.

Cenário de mídia alterado

Mudanças nas maneiras como as pessoas obtêm suas informações abalaram velhas certezas. O modelo de negócios baseado em publicidade que sustentou o jornalismo por cerca de um século está morrendo à medida que a receita da mídia vai para os gigantes da internet. Empregos estão desaparecendo e redações estão sendo esvaziadas .

Ao mesmo tempo, a posição de autoridade dos jornalistas sobre os tipos de informação chamados notícias está diminuindo. Todos agora podem publicar facilmente. Isso costuma ser uma coisa boa, mas também significou um aumento dramático na desinformação. A organização sem fins lucrativos First Draft fala de um ambiente de informação que foi poluído pela desinformação, e onde nunca foi tão difícil saber em que confiar e nunca foi tão fácil ser enganado.

Como resultado, a confiança no jornalismo vem diminuindo há alguns anos, embora o novo Digital News Report do Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo tenha descoberto que a pandemia da covid-19 trouxe alguma recuperação da confiança em nível global.

Separando o trigo do joio

As soluções para o problema da confiança terão de ser multifacetadas, começando com uma atenção especial à qualidade. Os modelos de negócios e a alfabetização midiática aprimorada precisam de atenção e é fundamental permitir que o público diferencie informações confiáveis ​​e verificadas de todo o resto.

Existem “marcadores” de credibilidade que tradicionalmente oferecem alguma garantia de confiabilidade, como a melodia de assinatura do noticiário noturno principal, o cabeçalho de um jornal sério, o tom, a linguagem e o design de reportagens que são diferentes daqueles nos anúncios ao lado. Esses recursos externos marcaram o jornalismo como diferente de outros tipos de comunicação, significando confiabilidade e ajudando a construir confiança.

A informação online tem muito menos marcadores desse tipo e os comerciantes da desinformação provaram ser adeptos de imitar a aparência do jornalismo. São necessárias novas formas de identificar o jornalismo adequadas às novas plataformas.

Marcas fortes carregam sua reputação para novas plataformas: uma postagem da redação da BBC carrega a autoridade da organização-mãe; nome de um jornalista de confiança individual em uma conta de mídia social significa credibilidade da mesma forma.

Um desafio importante para o jornalismo é encontrar maneiras adicionais de melhorar a visibilidade e a distinção de reportagens confiáveis.

Reconstruindo confiança

A Journalism Trust Initiative, iniciada pela ONG Repórteres sem Fronteiras, criou indicadores de confiabilidade e oferece aos meios de comunicação a oportunidade de se autoavaliarem e, em seguida, publicarem um “Relatório de Transparência” que pode ser auditado.

A iniciativa defende que benchmarks de qualidade e independência devem ser transparentes e verificáveis ​​para restabelecer a confiança. Para tanto, a JTI fornece indicadores para serem avaliados e cumpridos pelos meios de comunicação - e para que os cidadãos, anunciantes e reguladores os recompensem.

Esse “emblema” do jornalismo é uma reminiscência da confiável marca do Bureau of Standards da África do Sul, que, por exemplo, diz aos consumidores que uma determinada lata de feijão atingiu os padrões de qualidade, ou o sistema de estrelas que avalia os hotéis: se um consumidor insiste em se hospedar em um estabelecimento de baixa qualidade, ele não pode reclamar se houver mofo no banheiro.

Um sistema semelhante para a mídia jornalística poderia ser desenvolvido e seria administrado pelo Conselho de Imprensa da África do Sul. Seria uma alternativa melhor às chamadas para o registro de jornalistas que foram feitas para a recente investigação de Satchwell sobre ética na mídia e daria ao Conselho uma nova ferramenta poderosa para elevar os padrões.

Os editores precisariam obter classificação em relação a um conjunto de indicadores transparente e acordado. Deve ser voluntário, cabendo aos consumidores decidir se querem ouvir os provedores de informação não graduados. E deve estar aberto a uma gama de diferentes tipos de produtores de informação, pequenos e grandes, independentemente da plataforma.

Depois de um desastre como a história dos "Tembisa 10", um jornal bem classificado pode ser rebaixado ou perder totalmente a qualquer classificação.

Notícia Relacionada

Fonte

  • Ligação a um site em inglês Franz Krüger. False story about decuplets was a low point for journalism: how to fix the damage, The Conversation, 02 de julho de 2021.
Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit