África do Sul remete Israel a Haia por causa de “crimes de guerra” em Gaza

Fonte: Wikinotícias
Cyril Ramaphosa

17 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A África do Sul solicitou que o Tribunal Penal Internacional de Haia investigue alegados crimes de guerra israelenses na sua guerra com o Hamas. O presidente Cyril Ramaphosa fez o anúncio durante uma visita de Estado ao Qatar, onde disse ter falado com o governante do país sobre o agravamento da situação humanitária em Gaza.

“Ambos abominamos o que está acontecendo neste momento em Gaza, que agora se transformou num campo de concentração onde está ocorrendo genocídio”, disse ele.

Ramaphosa disse que a África do Sul não tolerou as ações tomadas pelo Hamas quando o grupo lançou um ataque mortal contra Israel no mês passado, matando mais de 1.200 pessoas e fazendo 240 reféns. No entanto, criticou a resposta israelense, dizendo que as pessoas estavam “morrendo como moscas” nos hospitais sitiados de Gaza.

“Como África do Sul, nós, juntamente com muitos outros países do mundo, consideramos adequado encaminhar toda esta ação do governo israelita para o Tribunal Penal Internacional”, disse ele.

O embaixador israelense Eliav Belotsercovsky não quis comentar.

Israel sempre afirmou que está agindo em legítima defesa. No início desta semana, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que Israel estava fazendo “esforços extraordinários” para minimizar as vítimas civis.

A África do Sul é um dos mais expressivos apoiantes internacionais dos palestinianos. O partido governante, Congresso Nacional Africano, traçou frequentemente o que considera serem paralelos entre a luta dos negros sul-africanos contra o regime racista do apartheid e a situação no Oriente Médio.

Fontes[editar | editar código-fonte]