Guerra na Ucrânia: mortes em Bucha evidenciam "crimes de guerra", dizem autoridades

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

3 de abril de 2022

link=mailto:?subject=Guerra%20na%20Ucrânia:%20mortes%20em%20Bucha%20evidenciam%20"crimes%20de%20guerra",%20dizem%20autoridades%20–%20Wikinotícias&body=Guerra%20na%20Ucrânia:%20mortes%20em%20Bucha%20evidenciam%20"crimes%20de%20guerra",%20dizem%20autoridades:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Guerra_na_Ucr%C3%A2nia:_mortes_em_Bucha_evidenciam_%22crimes_de_guerra%22,_dizem_autoridades%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook link=https://twitter.com/intent/tweet?text=Guerra+na+Ucrânia:+mortes+em+Bucha+evidenciam+"crimes+de+guerra",+dizem+autoridades&url=https://pt.wikinews.org?curid=78772 WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject=Guerra%20na%20Ucrânia:%20mortes%20em%20Bucha%20evidenciam%20"crimes%20de%20guerra",%20dizem%20autoridades%20–%20Wikinotícias&body=Guerra%20na%20Ucrânia:%20mortes%20em%20Bucha%20evidenciam%20"crimes%20de%20guerra",%20dizem%20autoridades:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Guerra_na_Ucr%C3%A2nia:_mortes_em_Bucha_evidenciam_%22crimes_de_guerra%22,_dizem_autoridades%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Dezenas de corpos ficaram expostos em Bucha, Ucrânia, após o país retomar o controle da cidade, relata a imprensa. Centenas de corpos também foram descobertos em valas comuns.

Autoridades declararam que as mortes são um “crime de guerra”, por se tratar da execução de civis. Dmytro Kuleba, ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, escreveu no Twitter que o massacre foi “deliberado”, enquanto o vice-chanceler alemão Robert Habeck disse a um jornal que "este terrível crime de guerra não pode ficar sem resposta".

Já a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, também usou o Twitter para se manifestar, escrevendo que as mortes eram “horrores indescritíveis em áreas das quais a Rússia está se retirando” e que "uma investigação independente é urgentemente necessária".

Refugiados

Mais de 10,5 milhões de ucranianos já foram obrigados a deixar suas casas após Vladimir Putin ordenar a invasão à Ucrânia no início de março passado, reporta a Relief, órgão ligado à ONU. Quase metade destas pessoas foi obrigada a se refugiar em outros países.

A Relief também reportou que 13 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária urgente no país, em meio ao caos provocado pela guerra, que levou ao desabastecimento de artigos de primeira necessidade, como água e comida.

Notícia Relacionada

Fontes