Guebuza considera de inconstitucional proposta de Governo de gestão

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Posição assumida depois de a Assembleia da República ter chumbado também a proposta da de Afonso Dhlakama.

28 de novembro de 2014

A criação de um Governo de gestão em Moçambique, exigida pelo líder da RENAMO, principal partido de oposição em Moçambique, é inconstitucional, afirmou nesta sexta-feira, 28, em conferência de imprensa o porta-voz da Presidência da República.

"É uma proposta inconstitucional porque não tem enquadramento no nosso ordenamento jurídico-constitucional e por isso foi liminarmente rejeitada pela própria Assembleia da República", declarou Edson Macuacuá, porta-voz do Chefe de Estado moçambicano.

"O que nós apelamos é para que continuemos a aguardar com calma e serenidade que o Conselho constitucional, o órgão de soberania competente, se pronuncie em última instância sobre o processo eleitoral, proclamar e validar os resultados, para que os órgãos sufragados possam ser instituídos e começar a funcionar", afirmou.

O porta-voz de Armando Guebuza respondia assim à proposta feita pelo presidente da RENAMO, Afonso Dhlakama, há duas semanas e que foi chumbada na passada terça-feira pela Assembleia da República.

Ontem, na Beira, Dhlakama dizia que esta era a única forma de contornar a fraude eleitoral protagonizada pelo Governo nas eleições de 15 de Outubro, nas quais, afirmou, ele foi eleito Presidente da República e não Filipe Nyusi como ditaram os resultados finais apresentados pela Comissão Nacional de Eleições (CNE).

Segundo aquele órgão, a FRELIMO ganhou as legislativas com uma maioria absoluta de 55,97 por cento e o seu candidato presidencial, Filipe Nyusi, foi eleito à primeira volta, com 57,3 por cento para a sucessão do actual chefe de Estado, Armando Guebuza.

A oposição alega que o processo eleitoral foi viciado por numerosas fraudes e pediu a sua anulação ao Conselho Constitucional, que ainda não se pronunciou.

Notícias Relacionadas

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati