RENAMO promete defender Governo de gestão e desconhece estatuto de líder da oposição em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Porta-voz António Muchanga lamenta o chumbo do parlamento mas promete que a Renamo vai levar a proposta de Governo de gestão a outros instâncias.

26 de novembro de 2014

A Assembleia da República de Moçambique chumbou nesta quarta-feira, 26, a proposta de um Governo de gestão apresentada pelo presidente da RENAMO, Afonso Dhlakama como forma de compensar a alegada fraude nas eleições gerais de 15 de Outubro.

A proposta foi reprovada com 170 votos contra da FRELIMO, partido no poder, enquanto a RENAMO, com 43 votos, e o MDM, com sete votos, votaram a favor da proposta.

Na declaração de voto da sua bancada, Mateus Kathupa, deputado da FRELIMO, e porta-voz da Comissão Permanente da Assembleia da República, afirmou que o seu grupo parlamentar votou contra porque a proposta não consta dos pontos de agenda aprovada pela Comissão Parlamentar para a sessão extraordinária que se iniciou hoje.

O porta-voz da RENAMO, António Muchanga, por seu lado garantiu que o seu partido vai avançar com a proposta a outros níveis, nomeadamente junto da Presidência da República.

Em entrevista à VOA, Muchanga diz desconhecer o conteúdo da proposta de um estatuto para o líder da oposição anunciada pelo Governo, que, segundo ele, deverá ser para o líder da FRELIMO porque a Renamo é que ganhou a eleição.

Enquanto isso, Veronica Macamo, que preside ao parlamento moçambicano, pediu ao país que aguarde com serenidade e civismo o anuncio da validação dos resultados das eleições de 15 de Outubro ultimo.

Macamo que falava na abertura de mais uma sessão da assembleia disse, segundo a agencia de noticias AIM, que uma vez validados os resultados todos, independentemente da sua filiação partidária, se deviam unir em torno dos vencedores pois só assim “estaremos a criar condições para o bem-estar de todos os moçambicanos.”

Os resultados que devem ser proclamados e validados pelo Conselho Constitucional deram a vitória à FRELIMO e ao seu candidato presidencial Filipe Nyusi.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati