Golpe de Estado em Burkina Faso

Gilbert Diendéré em 2010.

16 de setembro de 2015

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os líderes do golpe militar anunciaram à televisão burkinense RTB a destituição do presidente, a dissolução das instituições de transição, bem como a criação, em substituição, de um Conselho Nacional para a Democracia (CND), presidido pelo chefe de RSP Gilbert Diendéré. O presidente em exercício Michel Kafando e o primeiro-ministro Isaac Zida foram detidos pelos militares.

Um toque de recolher das 19 às 6 horas foi instalada e os controlos nas fronteiras colocados no lugar. Os militares decidiram na quinta-feira para fechar até novo aviso. Desde a queda do Blaise Compaoré, sob a pressão das ruas em Outubro de 2014, uma transição política teve no lugar em Burkina Faso. Transição agora em grande parte comprometida.

O general Gilbert Diendéré, 55 anos, tornou-se o presidente da nova autoridade, o Conselho Nacional da Democracia (CND). Ele afirma ter nenhum contato com Blaise Compaoré, que agora vive no exílio em Abidjan. Era o braço direito de Blaise Compaoré por mais de trinta anos.

Desde o início do golpe, teve lugar os confrontos nas ruas de Ouagadougou. De acordo com uma revisão de fonte do hospital pelo menos três mortos e sessenta feridos foram identificados. A tensão está no auge na capital burkinense.

Os soldados da unidade de elite origem no golpe de Estado reprimiram violentamente as manifestações dos sindicatos. O golpe vem três semanas das eleições presidenciais e parlamentares marcadas em 11 de outubro, um ano após a queda do ex-presidente Blaise Compaore.

Fontes