França: aplicativo StopCovid disponível

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

3 de junho de 2020

Enquanto a pandemia de COVID-19 continua em todo o mundo e a França está retornando as atividades gradualmente, o aplicativo do governo StopCovid está finalmente disponível para download. O StopCovid pretende apoiar o plano de desconfinamento da população francesa, cuja primeira fase iniciou em 11 de maio e a segunda está sendo iniciada hoje. Anunciado várias vezes desde abril, o aplicativo enfrentou obstáculos tecnológicos e regulatórios. Entre esses obstáculos, está a recusa da Apple ao pedido do governo francês em usar o Bluetooth do fabricante em segundo plano.

Previsto para o meio-dia de 2 de junho, o aplicativo está finalmente disponível no final da tarde para obter, de acordo com as equipes de desenvolvimento, "ajustes". O princípio do aplicativo é a detecção do distanciamento social, graças à ativação do Bluetooth nos celulares. Com a recusa da Apple, dois iPhones só poderão se detectar se estiverem executando o aplicativo StopCovid na tela. Os telefones se identificam quando há contato prolongado entre duas pessoas, ou seja, contato a um metro um do outro por pelo menos 15 minutos consecutivos.

Quando uma pessoa que usa o aplicativo é diagnosticada como doente, a equipe médica fornecerá um código que indica que ela está infectada. Portanto, todos os telefones que entrarem em contato com pessoas doentes receberá a mensagem "risco de exposição ao coronavírus". Esta mensagem convida as pessoas a se isolarem e a fazer um teste.

No entanto, a principal falha desse aplicativo é o número de pessoas que o utilizam. Sua instalação não é obrigatória e baseia-se na boa vontade dos cidadãos. O secretário de asuntos digitais, Cédric, indica que o governo não possui objetivos quantificados, mas que "é necessário que um máximo de pessoas o possua". Ele quer que o aplicativo seja adotado como um novo "gesto de barreira" para a pandemia em andamento.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com