Força Aérea dos EUA é liderada pela primeira vez por afro-americano

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

11 de junho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Pela primeira vez na história, os militares dos Estados Unidos serão liderados por um afro-americano. Na terça-feira, o Senado aprovou por unanimidade o general Charles Brown Jr. como chefe de gabinete da Força Aérea dos Estados Unidos.

Antes da aprovação, Brown liderou a Força Aérea do Pacífico. Ele também foi vice-comandante do Comando Central, supervisionando as ações dos militares dos EUA no Oriente Médio, de julho de 2016 a julho de 2018.

A ascensão histórica de Brown ocorreu no momento em que protestos contra a injustiça policial e o racismo varreram o país após a morte de George Floyd.

"Penso que a minha nomeação pode trazer alguma esperança, mas também carrega um fardo pesado. Não posso consertar os séculos de racismo em nosso país, não posso consertar as décadas de discriminação que podem ter afetado nossos membros da Força Aérea", disse Brown em uma mensagem de vídeo para a Força Aérea.

Brown expressou esperança de que a sabedoria e o conhecimento venham à tona nesses "tempos difíceis" e levem a melhorias "para que todos os pilotos, hoje e amanhã, apreciem as virtudes da diversidade e sirvam em um ambiente que possam alcançar todo o seu potencial".

Jim Inhofe, presidente do Comitê de Forças Armadas do Senado, chamou Brown de “um líder inspirador, corajoso, sincero e unificador”, cuja experiência no Teatro Indo-Pacífico será uma qualidade valiosa no momento em que os militares estão mudando o foco.

O ex-presidente do Estado-Maior Conjunto, almirante aposentado Mike Mullen, considerou a declaração de Brown "um grande passo na direção certa", mas expressou preocupação com o declínio no número de afro-americanos na liderança das forças armadas dos EUA.

Como piloto do caça F-16, Brown voou quase 3 mil horas, incluindo 130 horas de combate, por seus mais de 35 anos de serviço.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit