Filipe Nyusi admite que Ciclone Idai pode ter deixado mais de mil mortos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

19 de março de 2019

O número de mortos devido à passagem do ciclone Idai por Moçambique pode ascender a mil e não ficar nos 84 anunciados oficialmente, admitiu o Presidente Filipe Nyusi ontem (segunda-feira, 18).

"Até ao momento, formalmente, há registo de acima de 84 óbitos, mas tudo indica que poderemos registar mais de mil óbitos", afirmou Filipe Nyusi, numa declaração à nação, na qual revelou que mais de 100 mil pessoas da região têm a vida em perigo.

"As águas dos rios Púngoè e Búzi transbordaram fazendo desaparecer aldeias inteiras e isolando comunidades, vêem-se corpos a flutuar, portanto um verdadeiro desastre humanitário de grandes proporções", acrescentou Nyusi.

O Presidente moçambicano lembrou que “este desastre natural deixou grande parte da zona centro sem energia eléctrica, a região também deixou de ter abastecimento de água potável e comunicações, além ter afetado o funcionamento normal dos hospitais, escolas e demais instituições públicas e privadas".

Antes, Paulo Tomás, porta-voz do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades de Moçambique, indicou que o número de vítimas mortais.

Os níveis de destruição são descritos como assustadores e na Beira, segundo o Governo, mais de mil casas terão sito total ou parcialmente destruídas, havendo registo de mais de 1.400 pessoas feridas.

Para a Cruz Vermelha, os danos são imensuráveis por agora.

Ele adiantou que “a situação pode ser pior fora da cidade” da Beira.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati