Estado Islâmico divulga um vídeo mostrando a decapitação de outro jornalista

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

2 de setembro de 2014

Os ativistas do grupo terrorista Estado Islâmico (EI, ex-Estado Islâmico do Iraque e do Levante, EIIL) divulgaram um vídeo na internet que mostra o que seria a decapitação de Steven Sotloff, o jornalista norte-americano que permanece sequestrado e foi mostrado no vídeo anterior. É o segundo jornalista americano a ser executado pelos jihadistas do EI em duas semanas.

Steven Sotloff, de 31 anos de idade, aparece em vídeo ajoelhado e de uniforme laranja, ao lado de um homem mascarado armado com uma faca, em padrão semelhante à execução do jornalista americano James Foley.

O homem mascarado alertou governos para que se afastem dessa "malévola aliança com a América contra o Estado Islâmico" e ameaça outro refém, desta vez britânico, identificado como David Haines: "Estou de volta, Obama, e estou de volta por causa de sua arrogante política externa em relação ao Estado Islâmico".

Na filmagem o jornalista declara antes de ser executado:

Eu tenho certeza que vocês sabem exatamente quem eu sou agora neste momento e por que eu estou aparecendo.

"Obama sua política estrangeira de intervenção no Iraque estava suposta a defender e preservar a vida e os interesses dos estado-unidenses, então por isso que estou pagando o preço por sua interferência com a minha vida."

Após esta declaração, o carrasco encapuzado proclama outra ameaça ao povo norte-americano, que promete seguir com as execuções se não cessam os ataques de mísseis e também ameaçou executar um refém de nacionalidade britânica.

O jornalista Steven Stoloff de 31 anos de idade foi sequestrado em 4 de agosto do ano passado, perto da cidade de Aleppo, cruzando a fronteira com a Turquia. Desde então, Sotloff estava desaparecido e era especialista em Oriente Médio e cobria há vários anos o mundo árabe-muçulmano.

Reações[editar]

Horas após divulgação do vídeo na internet, diversas personalidades reagiram com repúdio o vídeo da decapitação.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, manifestou sua indignação com decapitação de Steven Sotloff: "Estamos todos indignados com as informações procedentes do Iraque sobre os terríveis assassinatos de civis pelo Estado Islâmico, incluindo a decapitação terrível de outro jornalista. Condeno com firmeza todos os crimes desta natureza e me nego a aceitar que comunidades inteiras possam estar ameaçadas por atos tão atrozes". Ban Ki-moon pediu às comunidades religiosas que repudiem a violência e a intolerância no Iraque.

O porta-voz do Governo dos Estados Unidos, Josh Earnest, disse a repórteres que se o vídeo existir, ele será analisado com muito cuidado, para determinar sua veracidade, acrescentando que os pensamentos e orações da administração Obama estão com a família de Sotloff.

Segundo comunicado oficial divulgado pelo porta-voz da família, Barak Barfi, os parentes de Steven sabem da existência do vídeo e estão "de luto", mas pedem respeito à privacidade e dizem que não farão comentários públicos "neste momento difícil". A mãe de Sotloff, Shirley, fez apelo em 27 de agosto em mensagem gravada em vídeo ao auto-proclamado califa do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, pedindo pela libertação do filho.

Em comunicado divulgado pela presidência da França, o presidente François Hollande se diz "horrorizado" pela execução e afirma que "esse ato bárbaro, após o assassinato do outro jornalista, James Foley, revela a natureza repugnante" do Estado Islâmico.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, disse que a informação sobre a aparente nova decapitação é absolutamente repugnante. "Acabo de ver a notícia", limitou-se a acrescentar o primeiro-ministro, sem comentar o fato de o refém ameaçado ser um britânico.

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) divulgou nota que que está "horrorizada" com execução do segundo jornalista em menos de duas semanas.

Notícia Relacionada[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati