EUA exortam a Turquia a não transformar Santa Sofia em mesquita

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

2 de julho de 2020

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, pediu às autoridades turcas que não transformem Santa Sofia em uma mesquita e deixem este prédio com status de museu. “Pedimos às autoridades turcas que deixem Santa Sofia como um museu. Isso demonstrará a disposição da Turquia de respeitar as tradições associadas à religião e a história do Estado turco. É necessário que todos tenham acesso à catedral", afirmou em comunicado.

Segundo Pompeo, o status de museu permitiu que pessoas de todo o mundo admirassem a catedral, este é um exemplo de "ponte" entre diferentes tradições e culturas. “Pretendemos trabalhar com as autoridades turcas em questões de interesse comum, incluindo a preservação de locais religiosos e culturais”, disse ele.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Turquia, Hami Aksoy, disse em resposta que ficaram "chocados" com a declaração do Departamento de Estado. Segundo o diplomata, o objeto pertence à Turquia e a política com relação a ele é "caso interno".

A discussão sobre o futuro de Santa Sofia, em Istambul, começou novamente após 29 de maio, no aniversário da queda de Constantinopla, na qual o Alcorão foi lido. Uma semana depois, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan instruiu a estudar a possibilidade de transformá-la em mesquita.

Por sua vez, o patriarca armênio, Sahak II, propôs que Santa Sofia fosse um local de oração para cristãos e muçulmanos.

Em 1453, após a captura da cidade pelos otomanos, a Catedral de Santa Sofia foi transformada em mesquita. Recebeu o status de museu em 1934 por decisão do primeiro presidente da Turquia, Mustafa Kemal Atatürk. Em 1985, foi considerada Património Mundial da UNESCO.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com