EUA começaram a fornecer ajuda humanitária ao Líbano

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de agosto de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O presidente Donald Trump supervisiona pessoalmente a entrega da ajuda emergencial ao Líbano, começando com comida, água e remédios. A decisão de fornecer assistência veio após uma explosão de enorme força destrutiva ocorrida em Beirute na terça-feira. O Conselheiro de Segurança Nacional, Robert O'Brien, anunciou isso na sexta-feira.

Além disso, os Estados Unidos continuarão a trabalhar com as autoridades libanesas para identificar outras necessidades de saúde e humanitárias e fornecer apoio adicional ao país.

De acordo com o Secretário de Estado Mike Pompeo, a administração Trump inicialmente prometeu mais de US$ 17 milhões ao país, e "continuará a ajudar o povo libanês enquanto se recupera desta tragédia".

Pompeo disse que os EUA também estão se juntando a outros países para instar Beirute a investigar exaustivamente as causas da explosão.

Na sexta-feira, equipes de resgate da ONU procuraram pessoas que poderiam ter sobrevivido em prédios destruídos pelas explosões. Equipes de resgate francesas e russas com cães também vasculharam a área na sexta-feira.

As autoridades libanesas estimam que 2.750 toneladas de nitrato de amônio acumuladas em armazéns portuários nos últimos seis anos levaram a explosões que mataram cerca de 150 pessoas, feriram mais de 5 mil e deixaram outros 300 mil desabrigados.

Os ativistas da Human Rights Watch foram os primeiros a convocar uma investigação independente sobre a explosão. Peritos internacionais deveriam ter permissão para viajar ao Líbano para "determinar as causas e responsabilidade pela explosão e recomendar medidas para prevenir que isso aconteça novamente".

Enquanto isso, no sábado, protestos em massa começaram em Beirute. Um grupo de manifestantes liderados por oficiais aposentados do exército libanês invadiram o Ministério das Relações Exteriores em Beirute no sábado e o declararam a "sede da revolução". A aquisição do prédio foi transmitida ao vivo pela televisão local.

"Declaramos o Ministério de Relações Exteriores como o quartel-general da revolução", disse o oficial aposentado Sami Rammah. "Apelamos a todo o povo libanês para tomar as ruas e exigir que as autoridades corruptas sejam processadas".

“Apelamos a todos os nossos aliados árabes e outros países aliados, bem como à Liga Árabe e às Nações Unidas, para ver a nossa revolução como uma representação dos interesses do povo libanês”, disse ele.

A Reuters, citando a Cruz Vermelha, informou que mais de 110 pessoas ficaram feridas durante os protestos em Beirute no sábado, 32 pessoas foram levadas a hospitais.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com