EUA admitem que precisam rever forma que fazem a prevenção do ebola

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

14 de outubro de 2014

Estados Unidos

O governo dos Estados Unidos admitiu hoje (13) que precisa rever a forma como vem trabalhando na prevenção de infecções por ebola. O diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, sigla em inglês), Thomas Frienden, disse em uma entrevista coletiva que a confirmação do caso de contagio da enfermeira Nina Pham, 26 anos, revelou a necessidade de "repensar" protocolos e segurança.

A enfermeira está internada em Dallas, no Texas, e contraiu a doença quando cuidava do liberiano Thomas Duncan, que chegou aos Estados Unidos na última quinzena de setembro, apresentou os sintomas em território americano e faleceu na semana passada. Frieden disse que, apesar de o país ser capaz de tratar com segurança o ebola de maneira que o contagio seja evitado, o "conhecimento" sobre isso pode não estar sendo disseminado de maneira correta. "Temos que rever a forma com a qual abordamos o controle de infecção do ebola. Até mesmo uma única infecção é inaceitável”, disse Frieden hoje na sede do CDC em Atlanta.

Sobre o estado de saúde da enfermeira contaminada, Frienden disse que a paciente está estável mas acrescentou: “O tratamento do ebola é difícil. Estamos trabalhando para torná-lo mais seguro e mais fácil”. Na coletiva de hoje, Frieden minimizou as críticas que havia feito ao hospital. Ele se desculpou por ter insinuado que a enfermeira teria sido responsável por sua contaminação ao "violar protocolos que a expuseram ao vírus". "Peço desculpas se passei esta impressão”, declarou.

Além das declarações do CDC, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reuniu-se com seu gabinete para discutir como o sistema de saúde americano pode se preparar para cuidar de doentes. Hoje outros países também trataram do controle do ebola. O Reino Unido fez um teste para "averiguar a capacidade de resposta" em caso de um surto do vírus em território britânico. No teste, atores fingiram ser pessoas contagiadas por ebola, médicos e enfermeiros simularam a situação de atendimento.

Depois da reunião, foi feita uma reunião do Comitê de Emergência do governo, segundo um comunicado do Departamento de Saúde do país. Na América Latina, a Venezuela também anunciou que aumentará o controle e repasse de informações em portos e aeroportos internacionais. A epidemia de ebola matou mais de 4.000 pessoas este ano, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e contaminou mais de 8 mil em cinco países do Oeste africano: Guiné, Libéria, Nigéria, Senegal e Serra Leoa.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati