EUA admitem Israel no programa de isenção de visto

Fonte: Wikinotícias

27 de setembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os Estados Unidos admitirão Israel no seu Programa de Isenção de Vistos, que permitirá a entrada de cidadãos israelenses no país sem visto por até 90 dias, a partir de 30 de novembro.

A relação EUA-Israel foi estremecida recentemente pelo plano de revisão judicial em relação aos palestinianos. Esta decisão, no entanto, foi vista como um avanço nas relações da administração Biden com o governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, segundo o secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas.

“A designação de Israel no Programa de Isenção de Vistos é um reconhecimento importante dos nossos interesses de segurança partilhados e da estreita cooperação entre os nossos dois países”, disse Mayorkas num comunicado.

“Esta designação, que representa mais de uma década de trabalho e coordenação entre os Estados Unidos e Israel, irá reforçar a colaboração das nossas duas nações no contraterrorismo, na aplicação da lei e nas nossas outras prioridades comuns.”

A decisão também permite que viajantes dos EUA entrem em Israel por 90 dias sem primeiro obter visto.

Para serem admitidos no programa, os Estados Unidos exigem que os países cumpram requisitos em questões como contraterrorismo, aplicação da lei, segurança de documentos e gestão de fronteiras. Os países também devem tratar todos os viajantes dos EUA de forma igual, independentemente de outros passaportes que possuam.

“Esta importante conquista aumentará a liberdade de movimento dos cidadãos dos EUA, incluindo aqueles que vivem nos Territórios Palestinos ou que viajam de e para eles”, disse o secretário de Estado, Antony Blinken, na declaração conjunta com Mayorkas.

A concessão de acesso a Israel foi recebida com reação negativa por parte de alguns palestinos que afirmam que Israel discriminou e assediou os árabes-americanos na fronteira.

Alguns legisladores democratas também se manifestaram contra a admissão de Israel no programa, alegando que o país não cumpriu o requisito de tratar todos os cidadãos estadunidenses de forma igual, independentemente de outros passaportes possuídos.

“A adesão a este importante princípio americano de reciprocidade e igualdade de tratamento de todos os cidadãos dos EUA é fundamental para a integridade do Programa de Isenção de Vistos, e estamos profundamente preocupados com a decisão da administração de avançar na violação desse princípio”, disseram os senadores Chris Van, Hollen, Brian Schatz, Jeff Merkley e Peter Welch em declaração conjunta.

“Monitoraremos cuidadosamente a situação para determinar se os americanos continuam a enfrentar discriminação com base na sua etnia, origem nacional ou religião.”

J Street, o grupo liberal de defesa dos judeus com sede em Washington, expressou preocupação pelo fato de Israel “não cumprir os critérios de entrada que todos os outros países devem cumprir”.

Fontes