Dois dias após entrevista de Meghan a Oprah, Casa Real emite comunicado; famoso jornalista perde emprego após novas críticas à Duquesa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A "bombástica" entrevista que Meghan Markle, esposa do Príncipe Harry da Inglaterra, concedeu à Oprah Winfrey e que foi ao ar nos Estados Unidos no domingo à noite, ainda repercute, tanto que, finalmente, a Casa Real divulgou um comunicado hoje à tarde (em horário brasileiro) sobre o assunto.

O documento já era esperado para ontem, após diversos experts em realeza publicarem informações em suas contas no Twitter sobre uma reunião emergencial no Palácio para avaliar as possíveis consequências para a monarquia britânica após Meghan revelar que o filho, ainda não nascido, havia sido vítima de racismo por parte de um membro senior da Família Real e que ela, devido à perseguição que sofreu da imprensa, havia pensado em suicídio, sem receber ajuda da Família Real mesmo após relatar seu problema.

O comunicado, de cerca de cinco linhas, não entrou no "mérito da questão", apenas reportando que as queixas de racismo eram preocupantes, mas que as recordações variavam [provavelmente sobre o familiar em questão não se lembrar do ocorrido] e que o assunto seria resolvido "em família".

O jornalista Omid Scobie, que escreve sobre realeza para a revista Harpers Bazaar, o New York Times e outros meios e foi um dos autores da biografia sobre Meghan e Harry, Finding Freedom, criticou o anúncio, escrevendo em seu Twitter que "um comunicado que levou dois dias para ser elaborado, sem o vigor apresentado na semana passada, quando o Palácio anunciou a todas as organizações de mídia do mundo que conduziria uma investigação de RH sobre alegações de bullying" [teoricamente feitas por dois funcionários contra Meghan e casualmente publicadas pelo tabloide The Times um dias depois de uma prévia da entrevista ser divulgada, onde Meghan dizia que não havia sido protegida pelo Palácio].

Peter Hurt, apresentador e ex-correspondente de Relações Internacionais da BBC, escreveu em seu Twitter e num texto para o The Spetactor que o comunicado era "muito pequeno, muito tarde".

Jornalista Piers Morgan perde emprego

Um dos grandes haters de Meghan Markle e Harry no Reino Unido, Piers Morgan, apresentador do Good Morning Britain (GMB), da ITV, pediu demissão hoje. Ele tomou a decisão após a emissora, que retransmitiu a entrevista de Meghan ontem à noite, lançar uma investigação depois de receber mais de 41.000 reclamações sobre comentários feitos pelo apresentador após a entrevista de Meghan com Oprah.

Num destes comentários, por exemplo, ontem de manhã ele disse que Meghan estava mentindo sobre seus sentimentos de suicídio. Ele também tentou diminuir a questão do racismo dizendo que se tratava apenas de uma curiosidade do familiar sobre a cor da pele da criança.

Hoje Piers também colocou o pai da Duquesa, Thomas Markle, para falar ao vivo no GMB. A entrevista, que muitos viram como uma nova tentativa de Piers atacar Meghan, foi duramente criticada. "Doentia", escreveu um seguidor nas redes sociais sobre a participação de Thomas, que ameaçou o casal com novas entrevistas caso eles não falassem com ele.

Meghan e o pai tem um profundo conflito desde meados de 2018, quando ele vendeu uma carta da filha ao Mail On Sunday, que na semana passada perdeu o processo judicial que a Duquesa moveu por "invasão de privacidade" devido a divulgação ilegal da missiva. Em sua entrevista com Oprah, Meghan disse que se sentiu traída pelo pai.

Recordes de audiência

Mais de 17 milhões de estado-unidenses assistiram a entrevista com Oprah pela CBS, audiência maior que o evento de entrega dos prêmios Globo de Ouro na semana passada. No Reino Unido ontem, a ITV teve uma audiência de mais de 11 milhões de pessoas, a maior no território/país deste ano até agora.


Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit