Covid-19: no Brasil, governo do Amazonas decreta bloqueio parcial

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

26 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Entra hoje em vigor no Amazonas o decreto governamental n° 43.234/20, que restringe o funcionamento das atividades não essenciais até o dia 10 de janeiro de 2021, como forma de conter o avanço da Covid-19 no estado.

Em reunião ontem, o governador Wilson Lima tratou sobre o início da “Operação Pela Vida”, que visa o cumprimento do decreto com ajuda das Polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, Procon Amazonas e Departamento de Vigilância Sanitária (DVisa), entre outros órgãos de segurança.

“Nós estamos trabalhando para salvar o máximo possível de vidas e garantir que nossa estrutura de saúde tenha condições de receber todos aqueles que foram acometidos pela Covid-19. Na rede privada há alguns hospitais que já não têm mais UTIs disponíveis. No (hospital) Delphina Aziz, por exemplo, estamos mantendo uma média de 90% a 100% de ocupação. Estamos ampliando os leitos e mesmo assim não estão sendo suficientes para a gente ter uma margem maior de segurança, e daí a necessidade de fazer esse sacrifício nesse momento. Eu sempre deixei muito claro que, se tivéssemos um aumento de casos e uma ocupação alta nas unidades hospitalares, nós tomaríamos a decisão de retroagir nas flexibilizações. E é essa atitude que nós estamos tomando para preservar a vida das pessoas”, explicou o governador.

O que fica restrito

Bares, restaurantes, lanchonetes e lojas de conveniência devem fechar, enquanto comércios que não são essenciais, incluindo shoppings, poderão funcionar por drive-thru e delivery. Eventos em geral, como casamentos e formaturas, ficam proibidos e espaços públicos, como praças e parques, serão fechados.

O que continua funcionando

Os estabelecimentos que prestam serviços essenciais - como padarias, supermercados, farmácias, vendas de gás e água - e hotéis continuam abertos, mas restaurantes dos hotéis apenas vão poder atender os hóspedes. Os serviços de transporte intermunicipais também estão mantidos, mas será reforçado o trabalho de fiscalização, respeitando a quantidade máxima de ocupação dessas embarcações. As atividades da indústria serão mantidas também.

40 respiradores extra

O estado recebeu mais 40 respiradores do Ministério da Saúde (MS) na quinta-feira passada, que serão utilizados em hospitais para ampliação da rede de leitos destinados à pacientes vítimas do novo coronavírus. No mês de novembro já haviam sido recebidos outros 60 aparelhos.

Os respiradores serão encaminhados para o Hospital Delphina Aziz, o Instituto de Saúde da Criança do Amazonas (Icam), a Fundação de Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), o Hospital Pronto-Socorro da Criança da Zona Oeste, o Hospital Pronto-Socorro 28 de Agosto, o Hospital Francisca Mendes e a Fundação Hospital Adriano Jorge.

No Delphina Aziz o estado já ampliou, nos últimos meses, os leitos de UTI de 90 para 140.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit