Covid-19: Polônia se torna o 13º país a atingir 1 milhão de contágios

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

2 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A Polônia se tornou hoje o 13º país a atingir mais de 1 milhão de infectados por Covid-19. Segundo o Painel da Covid da JHU, o país europeu tem agora 1.013.747 casos de Covid, dos quais 622.980 já estão curados, enquanto o número de óbitos alcança 18.208.

A sua frente estão, respectivamente, Estados Unidos, Índia, Brasil, Rússia, França, Espanha, Reino Unido, Itália, Argentina, Colômbia, México e Alemanha.

A Wikinotícias previu no dia 26 de novembro passado que a Polônia passaria de 1 milhão de infectados “nos próximos dias”, com base na média diária de óbitos entre os dias 24 e 26, que era de cerca de 16 mil, segundo dados do website de estatísticas Worldometer. Naquele dia, o país tinha 924.425 casos de Covid.

Américas e Europa: os epicentros da pandemia

Entre os mais afetados, apenas um país, a Índia, não é das Américas ou Europa, o que significa que estes dois continentes são, há semanas, os epicentros da pandemia de Covid-19 no mundo.

E um dos próximos candidatos a entrar nesta lista também é destes continentes, mais precisamente da América: o Peru tem hoje 963.605 contaminados e uma média diária, nos últimos três dias, segundo o Worldometer, de cerca de 1.300 contágios/dia.

O caso do Peru

O Peru, vinha há semanas, como o candidato mais provável a entrar na lista dos países com mais de 1 milhão de casos mesmo antes da Polônia. Na semana passada, no entanto, o país Europeu superou o Latino e passou a estar na 13ª colocação, com mais de 920 mil infectados.

Hoje, também o Irã superou o Peru e agora está em 14º lugar no ranking geral da JHU, o que indica que o país do Oriente é que será o próximo a entrar para o grupo das nações com mais de 1 milhão de contaminados, já que tem cerca de 16.500 novas infecções/dia, enquanto o Latino tem 1.300.

Porém, os dados no Peru podem não ser precisos, pois houve um decréscimo de cerca de 1.300 mortes/dia durante o mês de novembro, quando o país enfrentou uma grave crise política, causada pela renúncia ou deposição de três presidentes em questão de duas semanas. Em final de outubro a taxa diária de novas contaminações era de cerca de 2.600, número que durante o mês de novembro apresentou queda constante, chegando hoje a 1.300.

O motivo deste repentino decréscimo não foi explicado oficialmente, já que até setembro o país era um dos mais afetados pela pandemia nas Américas. No entanto, existe a possibilidade, devido ao grande número de casos meses atrás, muitos subnotificados, de que a população de algumas regiões tenha alcançado a "imunidade de grupo". Na cidade de Iquitos, em plena Amazônia, segundo o jornal La República, "o vírus parece ter sumido". Segundo o jornal também, testes feitos na população indicaram que 74% das pessoas já haviam sido infectadas, o que confirma esta imunidade.

Os próximos 5 mais afetados

Depois dos treze (13) países citados acima, estão na lista da JHU, por quantidade de infecções:

  • Irã: 975.951
  • Peru: 963.605
  • África do Sul: 792.299
  • Ucrânia: 778.560
  • Turquia: 668.957

Notícia Relacionada

Fontes


Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com