Covid-19: Brasil vive pior cenário já observado, alertam especialistas; estados decretam lockdown

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram
Ocupação de leitos UTI covid-19 no Brasil em 26 fev 2021

Em seu seu último Boletim do Observatório Covid-19, a Fiocruz alertou ontem para o "pior cenário já observado" durante a pandemia de covid-19 no Brasil, destacando o "aumento de óbitos e alta ocupação de leitos".

No Boletim, a Fundação destacou que havia vários estados "com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos de pelo menos 80%", enfatizando também que o país "apresentou uma média de 46 mil novos casos, valor mais elevado que o verificado em meados do ano passado, e média de 1.020 óbitos por dia ao longo das primeiras semanas de fevereiro", com nenhum estado apresentando queda no número de casos e óbitos.

Ontem à noite, conforme a Fiocruz, havia 17 estados com ao menos 80% dos leitos de UTIs covid-19 ocupados (ver na imagem).

"Ocupação acima de 90% quer dizer que na prática não tem leito. Precisamos controlar a transmissão do vírus", escreveu o biólogo e divulgador científico Atila Iamarino no Twitter.

Lockdowns Brasil afora

Ao menos o Rio Grande do Sul e o Distrito Federal decretaram lockdown parcial ontem, com medidas mais restritivas para conter a pandemia, ficando proibida a abertura de locais de comércio e serviços não essenciais até, respectivamente, 07 e 14 de março.

Outros dois estados, Santa Catarina e Pernambuco, decretaram lockdown parcial menos restritivo: no primeiro fica proibido o funcionamento de atividades não essenciais entre as 23h de ontem até as 6h da próxima segunda-feira (1º) e no segundo, qualquer atividade não essencial entre as 22h e 5h a partir de hoje.

Segundo a CNN Brasil, outros oito estados estão sob toque de recolher: Paraná, Mato Grosso do Sul, Bahia, Ceará, Paraíba, Piauí, Amazonas e Rio Grande do Norte

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit