Congressista e ativista de direitos humanos John Lewis morre nos EUA

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

18 de julho de 2020

John Lewis e Obama
John Lewis e o ex-presidente Barack Obama em 2015

Na sexta-feira, 17 de julho, John Lewis, um dos líderes mais influentes do movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos, faleceu.

Impressionado com as atividades dos defensores de direitos humanos Martin Luther King Jr. e Rosa Parks, John Lewis participou ativamente da luta dos afro-americanos por seus direitos. Durante a segregação, ele se tornou repetidamente o organizador de protestos e boicotes não violentos. Entre eles a famosa marcha sobre Washington em 1963.

Em 1986, ele se tornou membro do Congresso. Ele passou cerca de 23 anos neste cargo, abordando ativamente questões de igualdade racial e opondo-se ao envolvimento dos EUA em conflitos militares (em particular, a Guerra do Golfo e Iraque).

Lewis foi reeleito 16 vezes, ganhando apenas uma vez menos de 70% dos votos. Em 2008, ele apoiou a nomeação de Barack Obama como presidente dos Estados Unidos. Em 2016, Lewis organizou uma greve de 25 horas com 100 congressistas democratas exigindo regras mais duras para venda de armas.

Lewis morreu de câncer no pâncreas, diagnosticado em dezembro de 2019. Até sua morte, ele continuou representando o estado da Geórgia no Congresso e participando ativamente da advocacia. A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse: "Hoje, a América está de luto pela perda de um dos maiores heróis da história americana, o congressista John Lewis, a consciência do Congresso".

“O progresso não acontece automaticamente. A história de nosso grande país se dirigiu à justiça, porque grandes pessoas como John Lewis assumiram a responsabilidade de ajudá-la a lidar com isso. Nosso povo nunca esquecerá esse herói da América”, afirmou Mitch McConnell, líder da maioria republicana no Senado.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com