Confusão durante Hajj em Meca mata centenas na Arábia Saudita

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A peregrinação envolveu mais de 2 milhões de pessoas. Tradicionalmente realiza apedrejamento simbólico do diabo. Os muçulmanos acreditam que no vale de Mina, Abraão se recusou a tentar submeter a Deus, o filho como sacrifício. Hoje, os muçulmanos atiram pedras ao obelisco, gritando "Deus é Grande" como um sinal de renúncia do mal.

24 de setembro de 2015

Uma confusão que seguiu pisoteamento ocorreu hoje e matou 717 peregrinos muçulmanos, dizem as autoridades, em Mina, nos arredores de Meca (ou Makkah), na Arábia Saudita, cidade sagrada dos muçulmanos, onde os peregrinos se reuniram para jogar pedras em um dos três paredes para simbolizar o apedrejamento ao diabo, um ritual realizada durante o Hajj ("Peregrinação", em árabe).

A causa da confusão que levou ao pisoteamento é desconhecia, mas de acordo com o Ministro da Saúde, a causa foi a falta de disciplina da multidão de peregrinos que tentavam entrar no local santo e entraram em confronto com outras pessoas que o ignoravam, aliada a insuficiência de peregrinos para um horário fixo.

A Defesa Civil da Arábia Saudita mencionou que o número de mortos continua a aumentar e 863 peregrinos ficaram feridos durante o incidente, também mencionou as operações de resgate estão em andamento, a partir de hoje cedo, 4000 pessoal, juntamente com mais de 200 unidades de emergência e salvamento presente no local do incidente.

Reações

A agência estatal de notícias saudita informou que Muhammad ibn Najif anunciou a aberturo de inquérito. O chefe do comitê organizador da peregrinação, Khaled al-Fais, culpou "os peregrinos da África".

Já as autoridades do Irã acusaram a Arábia Saudita de negligência, já que 130 cidadãos iranianos estavam entre os mortos.

O presidente da autônoma república russa da Chechênia, Ramzan Kadyrov (que é muçulmano), declarou que a tragédia também foi um presente de Deus. Por sua vez, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, deu condolências ao rei saudita Salman.

Histórico

Este é considerado o pior desastre na peregrinação Hajj em 25 anos. Tragédias semelhantes ocorreram muitas vezes.

Um incidente semelhante no mesmo local em Mina de 2006, matou mais de 350 peregrinos, que até então era o segundo incidente em número de mortes, perdendo apenas à trágica morte dos 1426 peregrinos em 1990.

Em 11 setembro, devido ao colapso de um guindaste, outros 107 peregrinos foram mortos na cidade de Meca.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati